Os sinais dos dias de Noé

“O Senhor disse que, assim como foi nos dias de Noé, também será na vinda do Filho do Homem”

O apóstolo Pedro diz que, nos últimos dias, virão zombadores dizendo: “Onde está o dia do Senhor?” Mas é por causa da longanimidade de nosso Senhor que esse dia ainda não veio. Ele deseja que todo homem seja salvo. A dispensação da lei durou mil e quinhentos anos, mas a dispensação da graça já dura dois mil anos. Isso nos mostra que Deus não quer fazer ninguém perecer.

A LONGANIMIDADE DE DEUS

Tendo em conta, antes de tudo, que, nos últimos dias, virão escarnecedores com os seus escárnios, andando segundo as próprias paixões e dizendo: Onde está a promessa da sua vinda? Porque, desde que os pais dormiram, todas as coisas permanecem como desde o princípio da criação. Porque, deliberadamente, esquecem que, de longo tempo, houve céus bem como terra, a qual surgiu da água e através da água pela palavra de Deus, pela qual veio a perecer o mundo daquele tempo, afogado em água. Ora, os céus que agora existem e a terra, pela mesma palavra, têm sido entesourados para fogo, estando reservados para o Dia do Juízo e destruição dos homens ímpios. Há, todavia, uma coisa, amados, que não deveis esquecer: que, para o Senhor, um dia é como mil anos, e mil anos, como um dia. Não retarda o Senhor a sua promessa, como alguns a julgam demorada; pelo contrário, ele é longânimo para convosco, não querendo que nenhum pereça, senão que todos cheguem ao arrependimento. (2 Pe 3.3-9)

Você sabe quem foi o homem que mais viveu sobre a terra? Existe uma profecia que estava ligada a ele. Deus disse a Enoque: “Você terá um filho. O nome dele será Metusalém”. O significado do nome Metusalém é “quando ele morrer, então virá”. O que virá? O julgamento. É como se o Senhor dissesse: “Enoque, diga-lhes que vou julgar. E o seu filho se chamará Metusalém, que significa ‘quando ele morrer, virá’”. Diga ao mundo que esse garoto é um sinal. Quando ele morrer, Deus trará o julgamento.

Então, todo mundo ficou observando o garoto. Toda vez que ele espirrava, as pessoas o olhavam assustadas. Toda vez que ele tossia, eles o observavam. E Deus fez dele o homem que mais viveu sobre a face da terra. Ele foi o homem que mais viveu para mostrar a longanimidade e a misericórdia do nosso Deus. Ele não tem prazer na morte dos ímpios.

A matemática bíblica é bem clara. Metusalém tinha 187 anos no nascimento de Lameque e viveu durante 782 anos depois disso, portanto viveu um total de 187 + 782 = 969 anos. Lameque tinha 182 anos quando Noé nasceu, fazendo com que vovô Metusalém tivesse 187 + 182 = 369 anos no nascimento desse seu neto. Noé tinha 600 anos quando o dilúvio começou. Adicionando esses 600 anos aos 369 anos que Metusalém tinha quando Noé nasceu, concluímos que Metusalém faleceu no ano do dilúvio, aos 369 + 600 = 969 anos de idade. Toda a matemática se harmoniza perfeitamente.

Todavia, não se esqueça, no fim, Ele terá que julgar. Finalmente, Ele tem que julgar, ou então todo o universo, que se baseia em sua justiça e ordem moral, se desintegrará no caos. Deus tem que julgar, mas Deus é amor. A cruz deu a Deus o fundamento justo para perdoar os nossos pecados.

Cada pecado que já cometemos foi pago na cruz. Somos perdoados retamente. E agora Deus é justo. Ele não tem misericórdia de uma forma injusta apenas esquecendo o pecado. A sua misericórdia, o seu amor enviaram o seu Filho, por isso Deus agora é justo em nos fazer justos.

OS DIAS DE NOÉ

Em Lucas 24, lemos que os fariseus interrogaram Jesus a respeito de quando seria a vinda do reino de Deus (Lc 24.20). O Senhor Jesus usa duas histórias bíblicas como exemplo de como será a sua volta. Ele fala sobre o tempo de Noé e sobre os dias de Ló. Nos dias de Noé, aconteceu o dilúvio, e, nos dias de Ló, as cidades de Sodoma e Gomorra foram destruídas.

Assim como foi nos dias de Noé, será também nos dias do Filho do Homem: comiam, bebiam, casavam e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio e destruiu a todos. O mesmo aconteceu nos dias de Ló: comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam; mas, no dia em que Ló saiu de Sodoma, choveu do céu fogo e enxofre e destruiu a todos. Assim será no dia em que o Filho do Homem se manifestar. (Lc 17.26-30)

Podemos usar o contexto desses dois momentos, o de Noé e Ló, para entendermos o fim dos tempos. Tudo o que vivemos hoje coopera para a vinda do governo do anticristo e para o julgamento de Deus sobre a Terra.

Como se foram multiplicando os homens na terra, e lhes nasceram filhas, vendo os filhos de Deus que as filhas dos homens eram formosas, tomaram para si mulheres, as que, entre todas, mais lhes agradaram. Então, disse o SENHOR: O meu Espírito não agirá para sempre no homem, pois este é carnal; e os seus dias serão cento e vinte anos. Ora, naquele tempo havia gigantes na terra; e também depois, quando os filhos de Deus possuíram as filhas dos homens, as quais lhes deram filhos; estes foram valentes, varões de renome, na antiguidade. Viu o SENHOR que a maldade do homem se havia multiplicado na terra e que era continuamente mau todo desígnio do seu coração; então, se arrependeu o SENHOR de ter feito o homem na terra, e isso lhe pesou no coração. (Gn 6.1-6)

Podemos entender o paralelo entre os dias de Noé e os últimos dias da seguinte maneira: a condição humana será como nos dias de Noé – viviam em função do prazer e do entretenimento. 

Como Noé e sua família foram preservados, os santos serão guardados naqueles dias (Ap. 12). Na verdade, Noé passou pelo dilúvio, mas foi guardado pela arca. 

O dilúvio destruiu todos, exceto Noé e sua família. Quando Noé entrou na arca, veio o dilúvio. O arrebatamento provavelmente será um fator que desencadeará a grande tribulação. 

O Senhor disse que, assim como foi nos dias de Noé, também será na vinda do Filho do Homem. Como eram as pessoas nos dias de Noé? Podemos mencionar pelo menos sete características.

1. Um tempo para invocar o Senhor

Depois do nascimento de Enos, eles passaram a invocar a Jeová. Isso significa que, antes de Enos, eles adoravam ao Deus criador, mas não a Jeová. Há uma diferença nisso. Adorar a Jeová significa adorar o salvador, o Deus da aliança. Hoje, as pessoas não são antiDeus, mas elas são antiCristo. Não se importam de falar de um criador, mas rejeitam o salvador.

A Sete nasceu-lhe também um filho, ao qual pôs o nome de Enos; daí se começou a invocar o nome do SENHOR. (Gn 4.26)

2. Uma vida de aparências

Em Gênesis 4.19-22, menciona-se o nome de várias mulheres, os quais são muito significativos. Ada significa “ornamento”, Zilá significa “tela” ou “aparência, e Naamá significa “encanto”. Elas eram belas e frívolas. Veja as mulheres de hoje, o que se gasta com beleza e roupas é algo sem precedentes.

3. Arte, diversão e entretenimento

Em Gênesis 4, menciona-se a edificação de cidades com artistas e músicos. Hoje, 60% da população mundial vive em grandes cidades. Este é um sinal profético, a explosão de megacidades. É notório que a iniquidade se multiplicou quando o homem passou a habitar em grandes cidades.

Vivendo em grandes cidades, os homens vivem em busca de diversão e entretenimento. Este tornou-se o alvo de cada um. Como foi nos dias de Noé, está sendo também em nossos dias.

4. Duas linhagens de homens

Vendo os filhos de Deus que as filhas dos homens (duas linhagens) eram formosas, tomaram para si mulheres, as que, entre todas, mais lhes agradaram. 3 Então, disse o SENHOR: O meu Espírito não agirá para sempre no homem, pois este é carnal; e os seus dias serão cento e vinte anos. (Gn 6.2-3)

O sinal que vemos no contexto em que Noé vivia era a decadência familiar. Aconteceram uniões que não agradaram a Deus. Não eram o seu plano original. O Senhor criou o homem e a mulher para constituírem uma família. 

Mas, em Gênesis 6, vemos que os filhos de Deus se casaram com as filhas dos homens, e este foi um dos motivos da vinda do dilúvio. Mas que uniões foram essas? Para que você entenda, é preciso primeiro saber quem eram os filhos de Deus e as filhas dos homens. 

Segundo os estudiosos da Bíblia, existem duas interpretações a respeito dos filhos de Deus e as filhas dos homens. A primeira é que os filhos de Deus são descendentes de Sete, o terceiro filho de Adão, cuja genealogia está no capítulo 5 de Gênesis, e as filhas dos homens seriam os descendentes de Caim no capítulo 4. 

A falha dessa interpretação é que, no Velho Testamento, apenas Adão foi chamado de filho de Deus. Naquele tempo, Deus não tinha filhos humanos. Lucas 3.38 diz que Adão era filho de Deus, mas nenhum outro homem é chamado de filho de Deus no Velho Testamento. 

Passamos a ser chamados filhos de Deus depois da vinda de Jesus. Os religiosos se indignaram com o Senhor por Ele dizer que era Filho de Deus. Queriam matá-lo por esse motivo. Mas aqueles que creem em Jesus hoje se tornam filhos de Deus (Jo 1.12). 

A segunda interpretação é que os filhos de Deus eram anjos caídos, e os filhos dos homens, os homens em geral. Cremos nessa interpretação por três motivos. Em primeiro lugar, porque lemos em Jó 1.6 e 2.1 que satanás e os anjos são chamados de filhos de Deus.

Num dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o SENHOR, veio também Satanás entre eles apresentar-se perante o SENHOR. Jó 1:6

Quando satanás caiu, ele levou consigo a terça parte dos anjos do céu (Ap 12.4). Baseados em Judas 6 e 7, ficamos sabendo que anjos caídos se uniram com homens e, dessa união, a humanidade foi contaminada.

E a anjos, os que não guardaram o seu estado original, mas abandonaram o seu próprio domicílio, ele tem guardado sob trevas, em algemas eternas, para o juízo do grande Dia; como Sodoma, e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se entregado à prostituição como aqueles, seguindo após outra carne, são postas para exemplo do fogo eterno, sofrendo punição.

O resultado da união foram os nefilins. Em nossa Bíblia, a tradução é “gigantes”, mas a palavra no original é “nefilin”, que significa: cair, caídos, que fazem cair, desviado, perdido e que produz perdição. São todas descrições de ações demoníacas. Não tenho dúvidas de que houve uma mistura na espécie humana e esta foi uma das causas do dilúvio.

Mas alguém pode questionar que, em Mateus 22.30, o Senhor disse: “Porque, na ressurreição, nem casam, nem se dão em casamento; são, porém, como os anjos no céu”. É verdade que anjos não se casam. Mas esses anjos caídos desrespeitaram os limites do seu corpo e se uniram com as mulheres. Eles tinham poderes suficientes para se materializarem e se casarem com as mulheres.

Como essas coisas se relacionam conosco hoje? Eu creio que, em algum momento, as crianças clonadas ou modificadas geneticamente serão comuns. Creio que isso caracterizará o surgimento de um novo tipo de homem sobre a terra.

5. O crescimento da população

Nos dias de Noé, os homens foram se multiplicando sobre a terra. O dilúvio veio num momento em que estava havendo um grande crescimento da população. A volta de Jesus também acontecerá num tempo em que haverá grande crescimento populacional. 

De acordo com os institutos de pesquisa, a cada ano, tem havido um crescimento menor da população mundial. E a partir de 2050, a população começará a diminuir. 

Basta olharmos ao nosso redor e veremos que tem diminuído o número de filhos por família. Em muitos países, tem sido normal ter apenas um filho. Há muitos casais que têm optado por não terem filhos.

Os médicos não sabem explicar, mas tem havido uma verdadeira epidemia de esterilidade entre homens e mulheres. Também precisamos mencionar que milhões de abortos acontecem todos os anos em todo o mundo.

Países como o Japão e a Rússia estão vendo hoje suas populações diminuírem a cada ano. Segundo o IBGE, o Brasil terá o seu maior número de habitantes em 2042. A partir do ano seguinte, a população começará a diminuir.

Todos esses dados são para que você veja que o mundo está a caminho de uma diminuição populacional, mas o Senhor Jesus voltará quando a população ainda estiver crescendo. Portanto, precisamos ficar atentos, pois estamos perto do fim. Vivemos hoje o tempo da maior população que já viveu sobre a terra.

6. A pregação do evangelho

Judas 14 e 15 diz que Enoque profetizou a vinda do Senhor, mas a sua pregação foi ignorada pelo mundo. Hoje, temos a mesma situação. As pessoas do mundo ouvem a pregação do arrebatamento e da volta de Jesus apenas como um folclore evangélico.

Quanto a estes foi que também profetizou Enoque, o sétimo depois de Adão, dizendo: Eis que veio o Senhor entre suas santas miríades, para exercer juízo contra todos e para fazer convictos todos os ímpios, acerca de todas as obras ímpias que impiamente praticaram e acerca de todas as palavras insolentes que ímpios pecadores proferiram contra ele. (Jd 1.14-15)

7. A justiça da fé

No Novo Testamento, somos chamados de filhos de Abraão, porque, assim como ele, nós também somos justificados pela fé. Mas o primeiro homem mencionado na Palavra de Deus como tendo sido justificado por fé foi Noé.

Pela fé, Noé, divinamente instruído acerca de acontecimentos que ainda não se viam e sendo temente a Deus, aparelhou uma arca para a salvação de sua casa; pela qual condenou o mundo e se tornou herdeiro da justiça que vem da fé. (Hb 11.7)

O texto de Gênesis não menciona, mas o autor de Hebreus nos revela que Noé foi justificado por fé. Esta é a razão por que ele achou graça diante de Deus. Nos últimos dias, o evangelho da graça será pregado com muito maior ousadia e a verdade da justificação pela fé será espalhada por todo o mundo. Fazendo assim, podemos apressar a vinda do Senhor.

O sinal de Noé é para mostrar que, como eram as condições nos dias de Noé, assim será em nossos dias. E, assim como o dilúvio veio subitamente sobre eles, também o Filho do Homem virá repentinamente sobre este mundo brevemente.

PERGUNTAS PARA COMPARTILHAR:

1 – Quais sinais você tem visto da volta de Cristo?

2 – Qual é a sua interpretação a respeito das duas linhagens?

3 – Como você acredita que Deus pode julgar o nosso pecado e ainda nos receber?

Tags