A indescritível bondade de Deus

“O Pai quer manifestar a sua graça a nós nos dando todas as coisas livremente em Cristo”

A primeira menção do diabo nas Escrituras, ou seja, a primeira menção de uma tentação aconteceu no Éden. E o que o maligno disse? É assim que Deus disse: “Não comereis de toda árvore do jardim?” (Gn 3.1). Esta pergunta traz implícita a ideia de que Deus estava deliberadamente negando algo ao homem. O inimigo passou a ideia de que o homem estava perdendo algo que Deus não queria lhes dar. Ainda hoje, as pessoas são enganadas com o pensamento de que Deus as está privando de algo bom.

Mas o que Deus tinha dito é que o homem podia comer de toda árvore do jardim livremente (Gn 2.16). O homem não somente podia comer do que quisesse, mas podia comer o quanto quisesse livremente, graciosamente. A primeira palavra de Deus ao homem não foi uma proibição. Depois, o Senhor disse que havia apenas uma árvore que o homem não podia comer. Mas o suprimento de Deus era superabundante, excessivo, muito além da necessidade.

Deus é tão generoso, mas o diabo disse à mulher que Deus era mesquinho. Tudo o que ele deseja é que as pessoas duvidem da bondade de Deus. Ele está dizendo aos homens ainda hoje que Deus os está privando de desfrutar a vida com muitos prazeres. Está sempre dizendo que precisamos brigar e lutar pelos nossos direitos, porque Deus não o fará.

Quando entendemos a graça, nós oramos

Você certamente deve se lembrar da ocasião em que Davi cometeu adultério com Bate-seba e depois mandou matar o marido dela. Ele descobriu como um abismo chama outro abismo. Mas o que muitos não sabem é o que Deus disse a Davi depois que o seu pecado foi exposto.

Eu te ungi rei sobre Israel e eu te livrei das mãos de Saul; dei-te a casa de teu senhor e as mulheres de teu senhor em teus braços e também te dei a casa de Israel e de Judá; e, se isto fora pouco, eu teria acrescentado tais e tais coisas. (2 Sm 12.7-8)

Em outras palavras, o Senhor estava dizendo: “Se você estava infeliz com as mulheres que lhe dei, por que não falou comigo? Eu teria lhe dado muito mais”. Se você não está contente com qualquer área da sua vida, por que não pede a Deus que lhe dê mais? Se você não está contente com o seu cônjuge, diga ao Senhor. Ele não lhe dará mais mulheres ou maridos, mas Ele vai mudar a situação.

Se a sua vida sexual não está como você gostaria, não saia para procurar outra mulher. Simplesmente peça ao Senhor. No livro de Salmos, você vê Davi orando sobre uma porção de coisas, mas você não o vê orando sobre a sua vida sexual e conjugal. Se ele tão somente tivesse orado, teria sido poupado de muitas dores.

A oração nos coloca na graça. Você não encontrará a oração entre os Dez Mandamentos da lei. O princípio geral dos Dez Mandamentos é a força do homem para obedecer. Mas oração é graça em ação. Quando reconhecemos que não podemos fazer algo, então nós oramos.

Quantas vezes tenho visto pais frustrados porque já tentaram todo tipo de estratégia para educar os filhos, mas nada parece funcionar. Este é o momento em que a oração fará diferença. Deus conhece a estrutura do seu filho, os seus anseios e temores. Ele pode mudar a situação de dentro para fora.

Quando pedimos, estamos demonstrando dependência. A dependência honra o Senhor porque mostra que só Ele pode fazer. Só há graça disponível quando há dependência.

O Evangelho de Lucas é o evangelho que mostra o Senhor como o Filho do homem. E nenhum outro evangelho mostra mais a humanidade do Senhor do que Lucas, mas curiosamente esse é o evangelho que mais vezes mostra o Senhor orando. É assim porque, como homem, esta era a postura correta. O que se espera do homem é que ele dependa de Deus.

O Senhor orava muito, a ponto de os discípulos perceberem o poder da oração fluindo em sua vida. Eles notaram que a oração era a fonte do poder do Senhor Jesus, então pediram-lhe que os ensinasse a orar. Enquanto esteve na carne, o Senhor operou como um homem que dependia completamente do Pai.

Outro dia, um irmão me disse: “É impressionante ver como o Senhor abençoa aquele determinado irmão muito mais do que a outros”. Eu lhe perguntei: “Você pediu a Deus a bênção?” Ele tentou desconversar, dizendo que deveria ser porque aquele irmão era muito correto e santo. Mas eu insisti: “Você já pediu a Deus?” O inimigo sempre tenta nos convencer de que Deus não é bom. Mas isso é mentira. Ele lhe dará muito mais do que aquilo que pedir.

Você não precisa roubar. Peça ao seu pai e Ele lhe dará. Roubar é um ato de quem não crê que o Pai possa supri-lo abundantemente.

Você não precisa sentir inveja de ninguém. A inveja é baseada na ideia de que, porque alguém tem algo, isso faz com que você tenha menos. É a crença de que Deus é bom com o outro, mas não comigo. Mas isso é um engano. Peça a Deus. Creia na generosidade de Deus. Você não precisa cobiçar nada do vizinho. O seu Pai pode lhe dar muito mais, apenas ore, peça a Ele. Não duvide da sua bondade. Deus tem o bastante para você e para o seu vizinho também.

Jesus disse que devemos pedir até recebermos (Mt 7.7-8). E Tiago diz que nada temos porque não pedimos (Tg 4.2).

De onde procedem guerras e contendas que há entre vós? De onde, senão dos prazeres que militam na vossa carne? Cobiçais e nada tendes; matais, e invejais, e nada podeis obter; viveis a lutar e a fazer guerras. Nada tendes, porque não pedis. (Tg 4.1-2)

Há um sentido em que vencemos a carne quando oramos. Não há necessidade de fazer guerra e lutar, pois o Pai tem em abundância para todos. Assim, nós nos tornamos carnais quando deixamos de orar.

O segredo é sempre falar com o Senhor. Se o seu patrão não é justo com você, fale com o Senhor. Se o seu marido não é como você gostaria, fale com o Senhor. Nós gostamos de falar com os homens, mas o segredo é falar com o Senhor.

Veja quantos pecados e carnalidades podem ser vencidos e evitados se somente falarmos com o Senhor a respeito de nossos desejos e problemas.

Mas não pergunte como Deus pode fazer isso. Isso não é sábio. Não tente compreender Deus, defini-lo ou explicar os caminhos por onde Ele age. Apenas ore e continue orando.

Alguns pensam que, se forem bons, então Deus será bom com eles. Mas a verdade é que Deus não é bom conosco porque nós somos bons. Ele é bom conosco porque Ele é bom. Quando somos maus, Ele permanece bom. E, quando reconhecemos que Deus é bom conosco mesmo quando somos maus, então a sua bondade nos transforma em pessoas boas. Porque é a bondade de Deus que nos conduz ao arrependimento (Rm 2.4).

Antes de qualquer pecado, sempre há uma dúvida sobre a bondade de Deus. É verdade que o Senhor fez para o irmão fulano, mas não fará por mim. Por causa disso, essas pessoas se servem de meio pecaminosos, quando poderiam desfrutar da generosidade de Deus.

Não limite Deus

Você certamente conhece a história de Eliseu. Já no fim de sua vida, ele chama Jeoás, rei de Israel, e lhe diz para tomar arco e flechas. Eliseu ordena que ele atire uma flecha pela janela e diz: “Esta é a flecha da vitória do Senhor”. Depois, manda que o rei atire no chão, mas ele o faz apenas três vezes, o que deixa Eliseu indignado.

Então, lhe disse Eliseu: Toma um arco e flechas; ele tomou um arco e flechas. Disse ao rei de Israel: Retesa o arco; e ele o fez. Então, Eliseu pôs as mãos sobre as mãos do rei. E disse: Abre a janela para o oriente; ele a abriu. Disse mais Eliseu: Atira; e ele atirou. Prosseguiu: Flecha da vitória do SENHOR! Flecha da vitória contra os siros! Porque ferirás os siros em Afeca, até os consumir. Disse ainda: Toma as flechas. Ele as tomou. Então, disse ao rei de Israel: Atira contra a terra; ele a feriu três vezes e cessou. Então, o homem de Deus se indignou muito contra ele e disse: Cinco ou seis vezes a deverias ter ferido; então, feririas os siros até os consumir; porém, agora, só três vezes ferirás os siros. (2 Rs 13.15-19)

Por que Eliseu ficou tão indignado? Porque, mesmo tendo a flecha da vitória do Senhor, ele atirou com a flecha da vitória apenas três vezes. Se tivesse atirado seis ou sete vezes, teria vencido os sírios nessa mesma medida, mas agora os venceria apenas três vezes. Em outras palavras, nós limitamos Deus. O nosso Deus é grandioso, generoso e poderoso, mas o inimigo convenceu alguns de que devem pedir pouco, pois somente alguns mais santos é que recebem muito de Deus. No fim, alguns são convencidos de que nem devem pedir coisa alguma a Deus.

Por ocasião da multiplicação de pães e peixes para cinco mil homens, sem contar mulheres e crianças, a palavra do Senhor nos mostra uma afirmação muito interessante.

Então, Jesus tomou os pães e, tendo dado graças, distribuiu-os entre eles; e também igualmente os peixes, quanto queriam. (Jo 6.11)

O Senhor lhes deu o quanto eles queriam. Isso vai contra o ensinamento religioso de que Deus nos dá de acordo com a sua vontade. Na verdade, Ele nos dá o quanto queremos. No momento em que eles disseram: “Estamos cheios”, então o suprimento cessou. Mas ainda assim sobraram doze cestos cheios. Não limite sua bondade e sua graça. A religião limita Deus, mas o Senhor é generoso.

Eu creio que é impossível exagerar a bondade de Deus. Não gostamos de nada exagerado e sempre procuramos ser equilibrados e realistas, mas aqui está algo a respeito de que você nunca conseguirá exagerar: a bondade e generosidade de Deus.

Não coloque limites para a bondade de Deus. Quando você faz isso, é porque alguma crença errada está tomando espaço na sua mente. “Essa bênção é grande demais para mim!” “Para receber essa bênção, eu deveria ser um gigante espiritual como o fulano!” Você percebe? Qualquer limite que você coloca na bondade de Deus é uma mentira maligna. Infelizmente, muitos têm limitado a bondade de Deus por causa de conceitos falsos.

Você quer uma grande bênção? Então, experimente aumentar essa bênção de forma exponencial. Você ainda crê que Deus é suficientemente bom para lhe dar essa bênção? A ideia não é estimulá-lo a ter pedidos maiores, mas ajudá-lo a não colocar limites na bondade de Deus.

É bom demais e é verdade

Quando ensinamos sobre a graça de Deus, os religiosos ficam alarmados dizendo que é uma mensagem perigosa. Na verdade, o que estão afirmando é que é muito bom para ser verdade. Em outras palavras, Deus não pode ser tão bom assim.

Mas, quando o Senhor trouxe o povo de Israel para a terra prometida, Ele lhes disse que receberiam tudo sem terem de fazer coisa alguma. Receberiam cidades que não haviam edificado e vinhas e olivais que não haviam plantado.

Havendo-te, pois, o SENHOR, teu Deus, introduzido na terra que, sob juramento, prometeu a teus pais, Abraão, Isaque e Jacó, te daria, grandes e boas cidades, que tu não edificaste; e casas cheias de tudo o que é bom, casas que não encheste; e poços abertos, que não abriste; vinhais e olivais, que não plantaste; e, quando comeres e te fartares. (Dt 6.10-11)

A terra que receberiam era uma que fluía, manava leite e mel. A terra não tinha leite e mel, mas ela fluía leite e mel. Isso é para dar uma ideia de abundância. E o povo não deveria fazer coisa alguma para receber.

Quando os espias foram enviados para ver a terra, eles voltaram dizendo que a terra era realmente boa. Mas dez deles disseram que era bom demais para ser verdade. Não confiavam na bondade de Deus e nem em seu poder. Não criam que Deus podia ser assim tão bom.

Josué e Calebe motivaram o povo, dizendo que Deus lhes daria a terra, mas o povo queria apedrejá-los. Quanto mais você falar da graça e da fé na bondade e no poder de Deus, mais as pessoas dirão que você é um risco e sua mensagem muito perigosa. Mas, no fim, somente esses dois entraram na terra.

A lógica do céu

Aquele que não poupou o seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura, não nos dará graciosamente com ele todas as coisas? (Rm 8.32)

A lógica de Deus é muito clara: se o Pai não negou a você o seu próprio amado Filho, o que mais Ele poderia lhe negar agora? Se o Pai nos deu o seu único Filho quando nós ainda éramos seus inimigos, imagine o que Ele nos dará agora que fomos reconciliados e feitos seus filhos! Somos amigos de Deus como Abraão.

O Pai quer manifestar a sua graça a nós nos dando todas as coisas livremente em Cristo. Receba livremente e graciosamente. Não duvide da insondável bondade de Deus.

Perguntas para compartilhar:

– O que o tem limitado a enxergar a bondade e a generosidade de Deus em sua vida?

– A oração tem feito parte da sua rotina?

– De que maneira você tem visto a graça de Deus na sua caminhada cristã?

Tags