A transformação da Alma

A transformação da Alma

A palavra “transformação” é metamorphos no original e significa que uma substância é mudada em sua natureza e forma. É uma mudança na natureza interior que causa uma mudança na forma.

Esse tipo de mudança é uma mudança metabólica. Não é simplesmente uma alteração exterior, mas uma mudança tanto na constituição interior quanto na forma externa. No processo de metabolismo, nós ingerimos uma comida cheia de vitaminas que entra em nosso corpo e produz uma mudança química em nosso organismo. Essa reação química muda a constituição do nosso ser. Isso é transformação.

Suponha que uma pessoa seja muito pálida e que alguém, desejando mudar seu aspecto, lhe aplique alguma maquiagem. Isso produz uma mudança exterior, mas não é uma mudança orgânica, em sua vida.

Como, então, tal pessoa poderia ter uma face corada? Alimentando-se diariamente de comida saudável. Quando uma substância orgânica entra nela, um composto químico é formado pelo processo de metabolismo. Gradualmente esse processo interior mudará a coloração de sua face.

Essa mudança não é exterior, é algo que vem de dentro, o resultado de um processo metabólico.

No processo de metabolismo, um novo elemento adicionado ao organismo substitui o velho elemento e faz com que ele seja eliminado; algo novo é criado para substituir o velho elemento, que é levado embora. O metabolismo, portanto, inclui três itens:

  • O suprimento de um novo elemento;
  • A substituição do velho elemento pelo novo elemento;
  • A eliminação ou remoção do velho elemento.

Qual é o novo elemento que produz essa mudança interior? Cristo. Desde o momento em que fomos regenerados em nosso espírito, o Senhor deseja que essa vida continue expandindo-se do nosso espírito para a nossa alma. Assim, a nossa mente, emoção e vontade podem ser transformadas.

No momento da nossa conversão, o nosso espírito é regenerado e mudado, mas a nossa mente, emoção e vontade não são transformadas, ainda permanecem as mesmas. Recebemos Cristo como vida em nosso espírito, mas agora precisamos tê-lo em nossa alma.

Precisamos que Cristo transborde do nosso espírito para a nossa alma até que cada parte seja transformada à sua imagem (Rm 12.2; 2Co 3.18). Então, pensaremos como Ele pensa, amaremos como Ele ama e escolheremos como Ele escolhe. Teremos a semelhança do Senhor em nossa vida prática, porque nossa alma estará saturada de sua vida.

A transformação pela renovação da mente

Romanos 12 não nos diz como podemos renovar a nossa mente, mas, em Tiago 1.21, descobrimos que a palavra de Deus salva a nossa alma. A palavra “salvar” ali é sozo, que significa “restaurar, salvar, curar e renovar”.  Ser salvo aqui é o mesmo que ser transformado.

Portanto, despojando-vos de toda impureza e acúmulo de maldade, acolhei, com mansidão, a palavra em vós implantada, a qual é poderosa para salvar a vossa alma. (Tg 1.21)

Podemos concluir que a forma como Deus nos transforma é pela sua palavra. Como renovamos a nossa mente usando a palavra? Simplesmente recebendo a palavra de Deus.

A primeira maneira de tomarmos a Palavra é ouvindo-a. Quando ouvimos a Palavra, estamos renovando a nossa mente e dessa forma nos submetendo a uma mudança metabólica.

Muitas pessoas pensam que ir ao culto na igreja é algo secundário e sem importância. Isso não é verdade. Quando nos reunimos para ouvir a palavra, estamos nos alimentando e sendo transformados.

Além de ouvir, precisamos de ter outras práticas relacionadas à palavra, como vemos em Josué 1.8:

  •    Falar a palavra;
  •   Meditar na palavra;
  •    Praticar a palavra.

Não cesses de falar deste Livro da Lei; antes, medita nele dia e noite, para que tenhas cuidado de fazer segundo tudo quanto nele está escrito; então, farás prosperar o teu caminho e serás bem-sucedido. (Js 1.8)

A palavra tem poder para nos transformar quando se torna revelação em nosso coração. Em Mateus 16.13-17, lemos que Pedro foi transformado pela revelação e pela confissão. Na Bíblia, a mudança de nome significa transformação de vida. Antes, ele era Simão, mas se tornou Pedro. Foi sua confissão e revelação de que Cristo era o Filho de Deus que o transformou de Simão em Pedro.

Depois, em sua epístola, Pedro nos mostra que a igreja é edificada com pedras, ou seja, pessoas que são transformadas (1Pe 2.4-5).

A transformação pelo contemplar o Senhor

E todos nós, com o rosto desvendado, contemplando, como por espelho, a glória do Senhor, somos transformados, de glória em glória, na sua própria imagem, como pelo Senhor, o Espírito. (2Co 3.18)

A palavra “transformada”, metamorphos no original, só aparece três vezes na Bíblia. Uma é nos evangelhos, nos quais é traduzida como “transfigurar”, e as outras duas, em Romanos 12 e 2 Coríntios 3.18. Em Romanos, vemos que a transformação é pela renovação da mente, mas em Coríntios, lemos que também é pela contemplação.

Em 2 Coríntios 3.18, Paulo diz que precisamos ser espelhos contemplando e refletindo a glória do Senhor. Um espelho reflete tudo o que contempla. Quando estamos contemplando o Senhor, nós o refletimos.

O versículo poderia ser parafraseado da seguinte maneira: “Todos nós, com o rosto desvendado, somos um espelho refletindo a glória do Senhor; e, quanto mais o refletimos, mais somos transformados na sua própria imagem refletida em nós”.

O espelho precisa ter o véu removido

Paulo diz que precisamos contemplar o Senhor com o rosto desvendado. Se um véu for colocado sobre o espelho nada poderá ser refletido. O que vem a ser esse véu a que Paulo se refere?

Hebreus 10 fala de um véu, mas ali é o véu da parte interna do tabernáculo (Hb 9.3), enquanto o véu de 2 Coríntios 3 é o véu posto sobre o rosto de Moisés (v. 13). Este é o sentido literal, mas o que ele significa para nós hoje? O véu aqui representa a lei.

Se a lei estiver encobrindo o nosso coração, não poderemos refletir a glória do Senhor e ser por Ele transformados de glória em glória. Lei é o oposto da graça. Lei é tentar se relacionar com Deus com base na própria obediência e merecimento, mas a graça é se relacionar pelo favor imerecido.

O espelho precisa ser posicionado corretamente

Nosso coração precisa estar voltado para o Senhor de modo a podermos contemplá-lo com o rosto desvendado. Um espelho precisa estar voltado para a direção do seu rosto para que possa refleti-lo.

O mesmo princípio se aplica ao Senhor, podemos ter o véu retirado, mas isso não adiantará coisa alguma se o espelho está focalizado em outra direção.

Contemplar o Senhor é investir tempo com todos os tipos de oração: petição, súplica, louvor, adoração, consagração, entrega, intercessão, meditação, ações de graças e tudo mais. Isso é o mesmo que direcionar apropriadamente o espelho de nossa alma.

O Salmo 115.8 diz que nos tornamos semelhantes àquilo que adoramos.

Tornem-se semelhantes a eles os que os fazem e quantos neles confiam. (Sl 115.8)

Como uma máquina fotográfica

Paulo diz que somos como espelhos refletindo o Senhor. Na época de Paulo, não existia nada parecido com uma máquina fotográfica, mas a ilustração de um espelho que se transforma na imagem que está refletindo é o mesmo que uma fotografia.

No processo de tirar uma foto, quatro elementos são necessários: luz, lente, diafragma e filme.

A luz é o meio pelo qual o cenário é trazido para dentro da câmara. Na esfera espiritual, a luz é o desvendar do Espírito Santo explodindo revelação em nosso interior.

O segundo elemento é a lente. Uma vez que temos luz, necessitamos da lente. A lente aponta para a nossa mente. Se a nossa mente não compreender, nada pode entrar dentro de nós.

Além da lente, ainda precisamos do diafragma. É ele que se abre e fecha fazendo o click. O diafragma aponta para o nosso coração. Se o coração não abrir, a luz de Deus não entra, ainda que a lente de nossa mente possa compreender.

Por fim, temos o filme, que é a nossa alma. É em nossa alma que a imagem de Deus fica impressa. O nosso espírito foi criado para conter Deus, mas a nossa alma foi criada para refletir a sua imagem.

Dia e noite, precisamos nos abrir ao Senhor e, então, Cristo, o cenário celestial, será impresso em nós repetidamente de forma cada vez mais clara e nítida.