Casamento é Aliança

Casamento é Aliança

A Palavra de Deus nos mostra inequivocamente que o casamento é uma aliança e, como tal, as
características da aliança devem ser preservadas.

Porque o SENHOR foi testemunha da aliança entre ti e a mulher da tua
mocidade, com a qual tu foste desleal, sendo ela a tua companheira e a
mulher da tua aliança. (Ml 2.14)
A qual deixa o amigo da sua mocidade e se esquece da aliança do seu Deus.
(Pv 2.17)

a. Deve ser cumprida incondicionalmente

Deus espera que nós honremos a aliança, ainda que não tenha sido a nossa escolha conscien-
te. Em Josué 9 e 10 vemos que o povo de Israel fez uma aliança com os gibeonitas, sem consultar o Se-
nhor, e foram enganados por eles. Todavia, ainda assim o povo pelejou contra os inimigos para proteger

os gibeonitas.
Muito tempo depois, em 2Sm 21.1-6, lemos que houve uma grande fome de três anos em Israel.
Depois de consultar ao Senhor, Davi viu que a causa foi a quebra da aliança com os gibeonitas por parte
de Saul. A fome cessou depois que os de Gibeão puderam se vingar.
Uma vez que fizemos uma aliança de casamento ela deve ser cumprida, ainda que tenha sido

feita de forma impensada. O fato de fazermos uma aliança de forma irrefletida não é desculpa para quebrá-
la. Uma vez que fazemos um voto devemos cumpri-lo cabalmente.

Josué concedeu-lhes paz e fez com eles a aliança de lhes conservar a vida;
e os príncipes da congregação lhes prestaram juramento. Ao cabo de três

dias, depois de terem feito a aliança com eles, ouviram que eram seus vi-
zinhos e que moravam no meio deles. Pois, partindo os filhos de Israel,

chegaram às cidades deles ao terceiro dia; suas cidades eram Gibeão, Cefira,
Beerote e Quiriate-Jearim. Os filhos de Israel não os feriram, porquanto
os príncipes da congregação lhes juraram pelo SENHOR, Deus de Israel;
pelo que toda a congregação murmurou contra os príncipes. 

A aliança do casamento
os príncipes disseram a toda a congregação: Nós lhes juramos pelo SENHOR,
Deus de Israel; por isso, não podemos tocar-lhes. Isto, porém, lhes faremos:
Conservar-lhes-emos a vida, para que não haja grande ira sobre nós, por
causa do juramento que já lhes fizemos. (Js 9.15-20)

b. O parceiro tem direito de exigir o cumprimento da aliança e seus termos

Em um relacionamento de aliança, quando os parceiros exigem algo um do outro, ambos de-
vem se dispor a dar a mesma coisa em retorno. Quando o pacto foi feito, tudo o que Deus possuía ficou

à disposição de Abraão e tudo o que Abraão possuía ficou à disposição de Deus. Quando Deus pediu o
único filho de Abraão, Ele, de acordo com as condições de uma aliança, estava prometendo sacrificar o
Seu único Filho por causa de Abraão e assim abençoar todas as famílias da Terra.

Convertei-vos, ó filhos rebeldes, diz o SENHOR; porque eu sou o vosso

esposo e vos tomarei, um de cada cidade e dois de cada família, e vos le-
varei a Sião. (Jr 3.14)

Um exemplo de aliança

Sucedeu que, acabando Davi de falar com Saul, a alma de Jônatas se ligou
com a de Davi; e Jônatas o amou como à sua própria alma. Saul, naquele

dia, o tomou e não lhe permitiu que tornasse para casa de seu pai. Jôna-
tas e Davi fizeram aliança; porque Jônatas o amava como à sua própria alma.

Despojou-se Jônatas da capa que vestia e a deu a Davi, como também a
armadura, inclusive a espada, o arco e o cinto.(1Sm 18.1-4)

Quando estamos em aliança, temos todas as coisas em comum. Jônatas e Davi são exemplos dos
elementos de uma aliança. Uma aliança de casamento é muito mais profunda que a aliança entre homens,
mas penso que esta aliança nos exemplifica o nível de compromisso que precisamos ter com o nosso cônjuge.
a. Deu-lhe a capa
A nossa aliança de amor é também uma aliança de amizade. Depois de ter feito uma aliança com
Deus, Abraão foi chamado amigo de Deus. A aliança foi a base dessa amizade. Quando andou na Terra,

Jesus foi chamado de amigo de pecadores. Qual a razão disso? Porque Ele estava em aliança com o ho-
mem pecador. Só há amizade genuína quando há aliança. Na aliança nos tornamos um.

Entregar a capa significa que em uma aliança de amor nós guardamos e cobrimos o outro. Nunca

sentimos prazer em mostrar as falhas e debilidades do outro e jamais as expomos em público. Pelo con-
trário, tiramos a própria capa e damo-la ao outro, para ele cobrir-se e proteger-se com ela. Um cônjuge

nunca deve ser cúmplice do pecado do outro, mas estando em uma aliança ele vai colocar uma capa sobre
ele. Jamais publicará aos outros suas fraquezas.
A capa também era símbolo de riqueza, indicando que nossos bens agora são compartilhados.
“Tudo o que é meu agora é seu também”.

b. Deu-lhe a armadura

Jônatas despojou-se ainda da armadura e a entregou ao amigo. Em uma aliança não basta colo-
car a capa para guardar e cobrir o outro; é preciso dispor-se a protegê-lo. Despojar-se da armadura é dizer:

“Agora, dependo de você para me proteger dos meus inimigos”. São muitos os tipos de ataques a que
estamos sujeitos em nosso dia-a-dia, por isso, só nos sentimos seguros e protegidos em uma relação de
verdadeira aliança.
Talvez, nenhum outro sinal da aliança seja tão importante como este. É muito estranho quando
um cônjuge não defende o outro. Às vezes vemos uma esposa reclamando do seu marido, mas se começamos
a concordar com ela e a falar também o mesmo, você logo a verá mudando de disposição. Um cônjuge
protege o outro, oferece uma armadura contra calúnias, fofocas, armações etc.
c. Deu-lhe a espada
A espada tem um significado duplo. De um lado, significa que estou me desarmando para o outro.
Entramos desarmados no casamento de qualquer atitude de desconfiança.

Por outro lado, entregar a espada significa me despir de toda máscara e confiarmos na motivação do outro, principalmente quando vem a crítica. Entregar a espada é usá-la não para ferir, nem para

atacar ou agredir, mas para extirpar um tumor que está ameaçando a vida do outro.
O autor de Provérbios nos desarma de qualquer temor, quando afirma: “Leais são as feridas feitas
pelo que ama” (Pv 27.6).
d. Deu-lhe o arco
A espada e a armadura são para a defesa imediata, mas o arco é também para caçar o alimento.
Um amigo não desampara o outro.
O arco não era, exclusivamente, uma arma de guerra. Sua prioridade maior era ser usado para
a caça. Ao entregarmos o arco estamos dizendo: “Eu não vou deixar você na mão. Tudo o que eu tenho

é seu também. Minha riqueza é sua riqueza e suas dívidas são minhas dívidas”. Com exceção do aspec-
to sexual, essa é certamente a parte mais importante em uma aliança matrimonial.

e. Deu-lhe o cinto

O cinto era usado para dar firmeza e sustentação. Isso significa que em uma aliança o nosso cônjuge é que nos dá suporte nos momentos de luta e aflição. Nós somos a “escora” do nosso companheiro.

Se ele está com a perna quebrada, nós somos a “muleta” que o ampara. Todo casamento verdadeiro é
constituído de dois companheiros de jugo (Gl 6.2; Fp 4.3). Ninguém deveria fazer um compromisso de
casamento sem compreender o que significa a aliança.
Certa vez uma mãe trouxe seu filho para a Escola dominical, mas este ficou de fora da sala o tempo

inteiro. Na volta para casa ela lhe perguntou: “O que você aprendeu em sua sala hoje?”. O garoto então lhe respondeu: “Aprendi sobre casamento”. A mãe, surpresa com a resposta inusitada, ainda insistiu:

“E o que o professor falou sobre casamento?”. Ao que o garoto respondeu: “Ele falou da oração de Jesus:
‘Pai, perdoa-lhes, eles não sabem o que fazem’”.
A resposta do garoto pode parecer apenas divertida, mas bem pode ser o retrato de grande parte
dos casais, simplesmente nunca entenderam o que é uma aliança. Invista um tempo com seu cônjuge agora
para meditar a respeito da aliança que vocês fizeram diante de Deus.