Pobreza ou Prosperidade

Pobreza ou Prosperidade

Vivemos tempos difíceis. Você liga a TV e um pregador lhe diz que se você se tornar um cristão e plantar uma semente financeira, você irá prosperar por causa da bênção de Deus. Depois desse programa, outro pregador vem e diz que se você se tornar cristão, você precisa renunciar a tudo o que tem para que Deus possa abençoá-lo. Um fala sobre prosperidade e outro sobre pobreza e ambos usam as escrituras. Quem está certo? O que prega a prosperidade ou o que prega o renunciar tudo e se tornar pobre?

Uma pergunta que as pessoas me fazem frequentemente é se cremos na teologia da prosperidade. Na verdade, nós cremos em prosperidade, mas não na teologia da prosperidade. Você pode achar que é a mesma coisa, mas há um mundo de diferenças.

O que é biblicamente correto? Prosperidade ou pobreza? Com respeito ao assunto do dinheiro, existem basicamente, três posições no meio evangélico:

  1. Teologia da pobreza

 A primeira posição é a que eu chamo de teologia da pobreza. Evidentemente, aqueles

que defendem essa posição, não a chamam dessa forma, mas a pessoa que tem essa convicção desdenha das posses materiais. Eles não são materialistas. Eles consideram as posses como um tipo de maldição. O seu texto favorito na Palavra de Deus é Lucas 18:22, onde o Senhor mandou o jovem rico vender tudo o que tinha e dar aos pobres. Mas eles amam repetir o verso que diz:

Porque é mais fácil passar um camelo pelo fundo de uma agulha do que entrar um rico no reino de Deus (Lc. 18:25).

Eles dizem que suas necessidades serão supridas se tiverem uma atitude de despreocupação. Eles não se preocupam em prosperar, porque buscam o reino de Deus em primeiro lugar. Eles acreditam que a pobreza é a vontade de Deus para a igreja hoje. O reino é para os pobres e os que se tornam pobres se apoderam dele.

  1. Teologia da prosperidade

O ponto de vista dos teólogos da prosperidade é que, a prosperidade é uma recompensa para os justos. Eles consideram as posses uma bênção de Deus. Sua escritura favorita é Lucas 6:38.

Dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosa-

mente vos darão; porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também (Lc. 6:38).

Basicamente, eles seguem o princípio da semeadura e da colheita. Ensinam que se

temos uma necessidade, devemos semear e Deus nos suprirá em abundância. Seu conceito de prosperidade é que, eles são os donos daquilo que possuem. Para eles, a pobreza não é a vontade de Deus, antes se trata de uma maldição. São preocupados com dinheiro e têm uma vida direcionada para consegui-lo.

  1. Teologia da mordomia

É um equilíbrio entre as duas visões, pegando o melhor de ambas. A perspectiva da mordomia, é que a prosperidade é dada em variadas proporções. Eles vêm à prosperidade como um privilégio. Provavelmente, a parábola dos talentos é a melhor base para aqueles que creem na teologia da mordomia. Para eles, o ponto central não é o que renunciamos e nem “o que receberemos”, mas “o que temos recebido”. Eles dão, na proporção do que têm recebido. Eles se veem como mordomos de Deus e não se consideram donos daquilo que possuem. Eles basicamente buscam, por sabedoria e procuram ser encontrados fiéis diante de Deus