top of page
Buscar

O Senhor pode realmente arrumar a minha bagunça?


Ter a resposta para essa pergunta é tão importante quanto não viver debaixo de culpa e condenação. Existem dívidas de várias naturezas.


Existem aquelas que são fruto de um mau planejamento orçamentário; aquelas que são fruto do capitalismo (você tinha uma expectativa para o mercado, elas não foram supridas e você acabou sofrendo o impacto desse investimento); e também há aquelas dívidas que são fruto de uma enfermidade ou de algum fato que o surpreendeu e foi necessário adquiri-las.

Todas as dívidas nas quais estamos envolvidos o Senhor tem prazer em resolvê-las, independentemente de qual seja a sua natureza.


O evangelho do nosso Senhor Jesus é um tratado de quitação de dívida. O Senhor Jesus é o pagamento de uma dívida impagável que nós tínhamos diante de Deus.


Todo homem já nasce com uma dívida impagável, mas também já nasce com a provisão necessária para o pagamento dela. Por um lado, o homem tem uma dívida; por outro, ele já tem a provisão para o seu pagamento. Na cruz do Calvário, o Senhor Jesus trouxe a completa quitação da nossa dívida.


A dívida impagável que estava sobre nós e que nos condenaria ao inferno já foi paga. Essa verdade é muito poderosa, pois, ao colocar o seu drama financeiro nas lentes do evangelho, você conclui: “Minha dívida era muito maior, e o Senhor, pela sua graça, me livrou dela. Então, o que realmente é isso que preciso pagar aos olhos do meu Deus amoroso e gracioso?”


Contudo, talvez você esteja convencido de que a dívida foi você quem fez e que o Senhor não tem nada a ver com ela, foi completa responsabilidade sua. Mas, mesmo aquelas dívidas que você atribui toda responsabilidade a si mesmo, o Senhor também quer resolvê-las.

 

Ele me faz repousar em pastos verdejantes. Leva- -me para junto das águas de descanso; refrigera- -me a alma. Guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome. Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo; o teu bordão e o teu cajado me consolam. (Sl 23.2-4)

 

Esse texto diz que o Senhor me faz repousar em pastos verdejantes, mas também diz que, ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, ou seja, você que decidiu ir, a promessa do Senhor é que, ainda assim, Ele estará com você. Nesse caso, acredite, o Senhor quer resolver toda bagunça financeira na qual você esteja envolvido.


Em Mateus 18.23, o Senhor Jesus propõe a parábola do credor incompassivo. Essa parábola é muito interessante porque ela coloca na ótica de Deus o tamanho da nossa dívida.


Por isso, o reino dos céus é semelhante a um rei que resolveu ajustar contas com os seus servos. E, passando a fazê-lo, trouxeram-lhe um que lhe devia dez mil talentos. Não tendo ele, porém, com que pagar, ordenou o senhor que fosse vendido ele, a mulher, os filhos e tudo quanto possuía e que a dívida fosse paga. Então, o servo, prostrando-se reverente, rogou: Sê paciente comigo, e tudo te pagarei. E o senhor daquele servo, compadecendo- -se, mandou-o embora e perdoou-lhe a dívida. Saindo, porém, aquele servo, encontrou um dos seus conservos que lhe devia cem denários; e, agarrando-o, o sufocava, dizendo: Paga-me o que me deves. Então, o seu conservo, caindo-lhe aos pés, lhe implorava: Sê paciente comigo, e te pagarei. Ele, entretanto, não quis; antes, indo- -se, o lançou na prisão, até que saldasse a dívida. Vendo os seus companheiros o que se havia passado, entristeceram-se muito e foram relatar ao seu senhor tudo que acontecera. Então, o seu senhor, chamando-o, lhe disse: Servo malvado, perdoei-te aquela dívida toda porque me suplicaste; não devias tu, igualmente, compadecer-te do teu conservo, como também eu me compadeci de ti? E, indignando-se, o seu senhor o entregou aos verdugos, até que lhe pagasse toda a dívida. Assim também meu Pai celeste vos fará, se do íntimo não perdoardes cada um a seu irmão. (Mt 18.23-35)

 

O rei descrito nessa parábola é o Senhor Jesus. A nossa dívida era de 10 mil talentos. O talento romano era a medida para avaliar o ouro, e um talento equivale a aproximadamente 30 quilos. Se considerarmos que o valor do grama do ouro hoje é aproximadamente 150 reais, isso significa que a dívida que aquele servo tinha com o seu rei era de 45 milhões. Certamente, uma dívida impagável.


Se o rei nessa parábola é o Senhor Jesus, então o servo que tinha uma dívida impagável somos nós. Ele pagou completamente a nossa dívida. Não existe mais escrito de dívida sobre nós. O nosso nome está limpo diante de Deus por meio do sangue de Jesus.


O rei se compadeceu de nós porque a nossa dívida era impagável. Hoje, você tem acesso ao banco celestial, porque nenhuma letra de dívida compromete seu nome lá. O Senhor Jesus não apenas limpou o seu nome diante de Deus como também renovou o seu cadastro diante do Pai, de maneira que tudo o que, em oração, pedir ao Senhor Ele lhe concederá. Essa é a graça abundante de Deus. Ele limpou o seu nome e lhe deu um Cartão Infinite diante de Deus.


Jesus resolveu o problema da dívida que tínhamos porque Ele é especialista em quitação de dívidas. Tenha certeza, o Senhor Jesus é a pessoa certa para salvá-lo dessa demanda financeira.

Se Jesus quitou uma dívida que o levaria para o inferno, será que Ele não pode quitar a sua dívida com o banco? Se o Senhor tirou o seu nome do inferno e o escreveu no Livro da Vida, será que Ele não poderá tirar o seu nome das linhas de negativação?


Faço essa ponderação, pois é necessário que você creia que o Senhor é bom e quer quitar as suas dívidas. A bondade de Deus é infinita, e o Senhor é tão bondoso que toda essa situação contribuirá para que a imagem de Cristo seja mais aperfeiçoada no seu coração. Jamais duvide da bondade de Deus e do seu cuidado para com você. O Senhor honrará cada detalhe da sua vida e o conduzirá a uma experiência de amor e bondade n’Ele.


Certa vez, minha filha fez uma pequena dívida na lanchonete da escola. Quando a questionei sobre o valor que havia gastado naquele mês, ela disse que não sabia que havia limites para gastar na lanchonete, por isso havia comprado lanche para suas amigas também. A conclusão dela foi muito interessante e me ensinou algo: certamente não há nada nessa lanchonete que meu pai não possa pagar. Realmente não existe nada na lanchonete da escola da minha filha que eu não conseguisse pagar, mas expliquei-lhe que, antes de fazer a dívida, é necessário que ela converse comigo. Entretanto, ela estava descansada na minha capacidade de resolver aquele problema. Você precisa ter a mesma atitude. Você tem um Pai bondoso e generoso, que produzirá em você descanso necessário para seguir em frente e viver uma vida resolvida financeiramente.


 

Fonte: Paz financeira — Como vencer as dívidas

              Pr. André Francisco

Comments


bottom of page