Um Mordomo Fiel

Um Mordomo Fiel

Quem é fiel no pouco também é fiel no muito e quem é injusto no pouco, também

é injusto no muito. Se, pois não vos tornastes Fiéis na aplicação das riquezas de origem injusta quem vos confiará a verdadeira riqueza? Se não vos tornastes fiéis na aplicação do alheio, que vos dará a vós? Ninguém pode servir a dois senhores porque ou há de aborrecer-se de ume agradar-se do outro ou se devotará um e desprezará ao outro. Não podeis servir a Deus e as riquezas. (Lc 16.10-13)

Ora, além disso, o que se requer dos despenseiros é que cada um deles seja encontrado fiel. (1Co 4.2)

Já aprendemos que Deus é o dono de todas as coisas. E uma vez que Deus é o dono de tudo, nós somos feitos apenas mordomos cuidando daquilo que pertence a Ele.

Talvez você nunca tenha ouvido a expressão “mordomo”. Ou influenciado pelos filmes de Hollywood você pode pensar que se trate de um empregado vestido de fraque com sotaque inglês. Mas o mordomo nos dias antigos era a pessoa mais importante da casa depois do dono. A palavra mordomo pode ser traduzida como gerente ou supervisor. Nas Escrituras, a posição de um mordomo é de grande responsabilidade.

O mordomo é encarregado de cuidar de tudo como, se fosse ele, o próprio dono. Também é chamado de despenseiro na Bíblia, pois ele é quem cuidava da dispensa da casa. Tendo as chaves da despensa, ele libera o suprimento na medida em que é necessário. Ele quem cuida dos outros empregados, e até define qual é o cardápio dos patrões. A respeito dos mordomos e despenseiros, a Palavra de Deus diz que o que se requer deles é que sejam encontrados fieis. Gostaria de compartilhar com você outro lado da prosperidade que quase nunca ouvimos.

Sei que você tem aprendido que a prosperidade é fruto de um coração aberto para ofertar, e isso de fato é importantíssimo, mas é apenas um lado da verdade. Muitos pensam que, porque entregamos o dizimo e a oferta, estamos eximidos de sermos fiéis nas demais coisas diante de Deus.

Mas você, como servo e mordomo, foi chamado para ser fiel.

Existem duas características indispensáveis para ser um mordomo: Fidelidade e honestidade.

Nós temos falado em outras ocasiões que esta geração pode ser tocada pelo poder de Deus através de células que se multiplicam. Temos visto milhares de pessoas se convertendo em nosso meio, e isso é maravilhoso.

Todavia, há um risco de ganharmos muitas pessoas, mas não mudarmos a história da sociedade. Há um risco de sermos muitos crentes, mas não fazermos nenhuma diferença no mundo.

É possível sermos muitos, mas sermos como o sal que perdeu o sabor. As estruturas precisam ser tocadas. É preciso haver uma mudança de mentalidade, uma mudança no caráter e na forma de fazer negócios. Nós vivemos no meio de um povo corrupto, edificando uma sociedade corrompida, o que se espera de nós é que sejamos diferentes. Vivemos um tempo de intensas trevas, onde as pessoas exploram umas as outras, mentem acintosamente, estão o tempo todo procurando meios de tirarem vantagem sobre os outros, lidando com o próximo de maneira desonesta. A corrupção contamina os negócios. Há corrupção até mesmo no meio de juízes. Há podridão na polícia, na Receita Federal e em todos os níveis do governo. Os políticos, juízes, policiais e empresários estão envolvidos em desonestidade e infidelidade.

Nós precisamos urgentemente salgar, porque tudo está apodrecendo. Agora, se a carne está apodrecendo é porque o sal não está funcionando direito ou porque não há sal o suficiente. Lembra:

“Você é o sal da Terra”. Hoje, mais do que nunca, nós salgamos sendo mordomos fiéis e honestos em tudo.

Seja fiel com o que está na sua mão

Não é só o dizimo que é de Deus, tudo é dEle. Isso não significa que você deve agora dar tudo para a Igreja. Significa que precisa ser fiel ao administrar os noventa por cento que ele lhe encarregou de cuidar.

Segundo a visão religiosa, a igreja administra a parte do Senhor que é dízimo. Mas e os

outros noventa por cento? Eles pertencem a quem? Também pertencem ao Senhor. Alguns irmãos sempre me advertem dizendo: “Tenha cuidado ao administrar o dinheiro do Senhor”. Eu respondo que estou cuidando só de dez por cento, enquanto você está cuidando de noventa por cento. De quem você acha que Deus vai requerer mais? Certamente será de você!

É tudo uma questão de administração. Deus não autorizou você a administrar o seu dízimo. Sei de pessoas que, por conta própria, decidem entregar o dízimo em outra igreja, justificando:

“essa igreja é muito rica, vou dar para quem precisa”. Eu não questiono quem precisa e quem não precisa, eu só questiono uma coisa: Quem o autorizou a administrar o seu dizimo? Quem lhe deu autoridade sobre ele? Quem fez de você administrador de dizimo? Não ouse administrar o dizimo, pois isso trará maldição na sua vida.

Mas você é um mordomo encarregado de administrar o resto do dinheiro que ficou na sua mão. Um mordomo não pode dizer: “esse dinheiro aqui é meu e eu gasto como quiser”. O que se espera de um mordomo é que ele conheça a vontade do seu Senhor. Por isso é necessário haver oração e dependência para gastar o dinheiro do Senhor.

Alguns imaginam que apenas os dez por cento do dízimo vão protegê-lo. Você não está autorizado a agir com os outros noventa por cento que restam de qualquer forma, o Senhor requer de você fidelidade em tudo! O resto do dinheiro que está na sua mão, não é seu, é de Deus também e você deve orar: “Senhor, qual a melhor maneira de eu gastar esse dinheiro? É da Tua vontade que eu compre isso? É do Teu agrado que eu faça aquele negócio? É do Teu propósito que eu faça essa dívida?” Muitos de nós não oramos sobre isso. Alguns nunca nem pensaram em orar sobre isso. E é por isso que enfrentamos problemas financeiros. O devorador está amarrado, o problema

é o mordomo que é um mau administrador. Dar o dízimo não exime você de ser fiel com o resto!

A fidelidade não depende do quanto possui

A fidelidade não depende do quanto você tem. Não importa se você tem muito ou pouco. O mordomo é fiel com relação a aquilo que lhe foi confiado. Ele é responsável, quer seja no muito, quer seja no pouco. O importante não é aquilo que você faria se tivesse um milhão de reais, mas aquilo que você está fazendo com os dez reais que possui.

Você deve conhecer a parábola dos talentos em Mateus 25. Na parábola o Senhor chamou os seus servos e a um deu um talento, a outro dois e a outro cinco talentos. Um talento era uma quantidade de dinheiro equivalente, hoje, a aproximadamente quarenta quilos de prata.

Os servos não receberam o mesmo tanto, mas cada um recebeu segundo a sua capacidade.

No final aquele que recebeu cinco talentos foi fiel e ganhou outros cinco. O que recebera dois também foi fiel e ganhou outros dois. Mas aquele que tinha um talento foi infiel e enterrou o talento. Isso é uma questão muito séria.

Sei que você está acostumado a pensar em talento como uma habilidade ou dom, mas literalmente era dinheiro mesmo. Deus confiou a você uma quantidade de dinheiro. Eu penso que quando Ele voltar Ele vai perguntar para cada um de nós quanto nós conseguimos multiplicar. É possível que se o Senhor voltasse hoje Ele pegaria a maioria de nós em apuros, além de não ter o que Ele nos deu, ainda estaríamos devendo para outros.

Podemos, portanto, receber a disciplina que o servo de um talento também recebeu.

Porque aquele que recebeu um talento nem chegou a perdê-lo, ele só enterrou, ele guardou para não perder, mas o que o Senhor disse para ele? “Servo mal, infiel e negligente!” Eu não quero ouvir isso naquele dia! O servo que recebera dois talentos recebeu a mesma recompensa do servo que recebera cinco (Mt 25.23). Somos ordenados a sermos fiéis, tanto se recebemos muito, quanto se recebemos pouco.

É interessante que aqueles que têm mais, normalmente são mais fiéis. E aqueles que têm menos, se dão o direito de serem mais negligentes. Mas o Senhor não tem acepção de pessoas.

Algumas acham que Deus é contra o rico e que o pobre sempre é o coitadinho. Deus não tem acepção de pessoas. Deus trata todos com equidade e justiça. Portanto, dizer para Ele que você era pobre, não irá justificá-lo. Você terá de prestar contas se não administrou apropriadamente o que era de Deus e que Ele confiou a você para cuidar.

A questão nas Escrituras é: Como lidar fielmente com tudo que Deus nos confiou? O mordomo fiel é responsável por aquilo que tem, seja muito ou pouco. Eu não estou preocupado com a oferta que você vai dar para a igreja. Eu estou preocupado na verdade é que você prospere. Se você prospera a igreja é abençoada. Eu quero ser parte de uma igreja de vencedores que manifesta

vitória também na área financeira. Eu creio que em algum momento testemunharemos que não temos nenhum desempregado em nosso meio, em nome de Jesus! Isso vai ser um testemunho inédito! Você crê que isso é possível? É possível para Deus. Não importa a crise o que importa é Deus! É Ele é quem cuida de nós, é quem nos abre as portas.

A única maneira de nós mudarmos a história é se Deus nos colocar naquelas funções chaves

que mudam a história. Mas Deus só vai colocá-lo se você for encontrado fiel!

Quem não é fiel no pouco não será colocado sobre o muito!

Seja fiel nas pequenas coisas Jesus disse: “Quem é fiel no pouco também é fiel no muito! Quem é injusto no pouco também é injusto no muito!” Se você não é correto ao administrar dez reais não será também se administrar um milhão. Se você não é fiel para administrar o pouco que Deus tem lhe dado, Ele não vai lhe dar o muito! Você quer receber o muito de Deus? Seja fiel no pouco!

É no pouco que nós percebemos a realidade das pessoas! É no pouco que checamos

a realidade espiritual. Você quer saber como seu filho vai cuidar do primeiro carro? Observe como ele cuida da bicicleta! Se ele não cuida da bicicleta também não vai cuidar do carro! Você quer saber se alguém vai ser um grande pastor? Observe como ele lidera a célula dele! Quem não é zeloso para liderar uma célula, também não será zeloso para liderar uma multidão! Paulo disse que aquele que não administra corretamente sua casa como poderá administrar a casa de Deus? Tenho descoberto que pastores que não conseguem administrar o próprio salário, e

vivem endividados, também não conseguirão administrar uma igreja.

Portanto, o teste não é no muito, o teste é no pouco. E na medida em que você é aprovado no pouco, Deus vai lhe dando porções maiores.

Eu conheço lideres de células que dão gosto! Outro dia um deles me mostrou o controle da sua célula, nome por nome, visita, agenda, ele fez uma ficha no computador com a foto de cada um, na data de aniversário ele manda presente, faz visitas, tem um controle rígido das reuniões. Ele pegou os boletins semanais da igreja e os colocou dentro de uma pasta plastificada, ele arrancou a parte dos esboços e colocou dentro de uma pasta. Trouxe para eu ver.

Um tesouro aquilo! Nem eu tenho algo parecido! E eu fiquei olhando para aquele irmão e pensando: Se esse irmão quiser ser pastor, é provável que ele será um grande pastor. Sabe por quê? Porque é fiel no pouco! Não tem ninguém mandando que ele faça tudo isso. Ele apenas

é fiel e Deus está vendo! Ele está sendo fiel nas pequenas coisas!

Se você não ora hoje para pregar para sua célula também não vai orar para pregar aqui

no culto no domingo à noite se for colocado! “Ah o senhor está enganado. Eu acho que se eu fosse pregar para essa igreja eu iria orar muito!” Talvez você iria orar um ou dois domingos, mas depois você iria se acostumar e voltaria ao que você é. É nas pequenas coisas que você é mostra quem é. Você não precisa esperar por grandes desafios para conhecer seu próprio caráter, basta se olhar no dia a dia nas coisas aparentemente pequenas.

Você tem sido fiel no pouco? Tem sido fiel no seu salário que você acha ser curto? Pelo

qual, ao invés de agradecer você reclama constantemente? Aquele que, toda vez que recebe, em vez de ficar alegre você fica abatido no espírito? Tem sido fiel nesse pouco? Ou você fala:

“Não, já que é pouco, nem vale a pena me organizar, vou torrar tudo de uma vez!”

Seja fiel no seu pouco. Faça uma relação de suas contas. Tenha pelo menos o controle

no canhoto do talão de cheques. Se eu perguntar para você: “Quanto você tem na sua conta bancária hoje?” Seja fiel no pouco. Quem é fiel no pouco Deus colocará sobre o muito.

Seja fiel com o que é do outro

Se não vos tornastes fiéis na aplicação do alheio, quem vos dará o que é vosso?

(Lc 16.12)

Aqui está o motivo pelo qual as pessoas não prosperam, elas não são fiéis com a posse dos outros. Talvez a mentalidade dos partidos de esquerda entrou na sua cabeça e você aceitou o pensamento de que o seu patrão é seu inimigo. Você acredita que seu patrão é um explorador e quer roubá-lo ou algo assim. Pode ser que haja algum assim, mas a maioria certamente não é. Não encare o seu patrão como seu inimigo, não o veja como instrumento do diabo. Abençoe-o todos os dias, seja fiel com as coisas do seu patrão. Faça para ele como se fosse para Deus.

Você pode até se perguntar: “Ah pastor, ninguém faz assim! Porque eu tenho que fazer?”

Porque você é filho de Deus! Você é diferente dos outros. Quando você sai da sala você desliga a luz! Alguém fala: “Não se preocupa com isso! Não é você que paga!” É verdade, mas você é fiel com as coisas dos outros também! Você não quer dar prejuízo para ninguém! Você não rouba no horário, você chega na hora e sai na hora e trabalha o tempo que foi requerido de você. Você não leva para casa material do seu trabalho, não rouba suprimento, não toma aquilo que não é seu, pelo contrário, você é encontrado fiel e aquilo que o seu patrão confia a você para ser feito, você faz com esmero e com zelo como se fosse para o Senhor.

E alguém diz: “Vão me dizer que eu sou burro. Que eu sou tolo, porque os empregados

espertos, eles é que passam a perna no patrão!” Esses não são os espertos, são os filhos das trevas. Eles pensam que vão prosperar, mas não vão. Só prospera aquele que é encontrado fiel!

Não adianta dar o dizimo se você não é fiel com as posses alheias. Não trabalhe para homens, trabalhe para Deus. Faça do seu trabalho uma extensão da igreja. Isso sim é revolução! Porque só nós somos capazes de trabalhar para o nosso patrão como se fosse para Deus, e o que é melhor, depois receber do próprio Deus a recompensa porque de fato fizemos para ele!

Veja em seu patrão mais do que um chefe, mas alguém que foi designado por Deus para estar sobre você como autoridade. E faça para Deus. Seja você um exemplo de fidelidade!

Muitos não têm prosperado por que não são fiéis com a aplicação do alheio. Mude sua

postura, e sua atitude. Vamos revolucionar essa cidade, vamos fazer uma revolução de fidelidade e retidão! Não adianta ter uma igreja grande se essa não faz diferença. Não adianta ter um povo numeroso se esse não é conhecido onde está como gente que é fiel. Eu não quero ouvir dizer que a Igreja tem música bonita, que o louvor é bonito, ou que o pastor prega bonito. Eu quero ouvir que a igreja é constituída de um rebanho que é fiel e honesto. Que aonde chega salga, faz diferença, que faz negocio de maneira diferente, que trabalha de maneira diferente, que lida com dinheiro de maneira diferente, porque somos diferentes. O poder de Deus está em nós.

A fidelidade define o nosso caráter

O dinheiro é algo realmente importante quando se trata de mostrar a natureza de alguém. Você quer saber quem é a pessoa? É só tirar dinheiro dela ou dar dinheiro para ela.

Não é difícil perceber isso. Você percebe a natureza de uma pessoa é quando ela é assaltada, por exemplo. Quem é apaixonado pelo dinheiro, quando é roubado entra em depressão, destila ódio, se revolta, lança maldição.

Jó foi roubado por um bando de saduceus. E a reação dele mostrou o seu caráter. Ele disse:

“Deus deu, Deus tirou, bendito seja o nome do Senhor!”

Certa vez eu estava em um culto onde o Apóstolo Sinomar pregava. Ele estava no início da pregação quando alguém falou: “Pastor, acabaram de roubar o seu carro lá fora!”. Todo mundo ficou se perguntando o que ele ia fazer naquele momento, imaginou-se que ele passaria a palavra para alguém e sairia correndo atrás do carro. Mas em vez disso ele se voltou e disse: “Irmãos, esqueçam o carro, isso não tem valor nenhum. O que eu estou fazendo aqui tem valor incomparável.

O que Deus tem para mim, ninguém tira, se tirou é porque não era de Deus para mim!” Nunca me esqueci disso. Ele pregou a reunião inteira e foi a maior unção! A fidelidade define o nosso caráter. Embora aconteça de forma inconsciente, Deus usa o dinheiro para moldar o nosso caráter. Isso acontece no processo de ganhá-lo, economizá-lo, usá-lo, doá-lo ou investi-lo. Dependendo do modo como é usado, a pessoa torna-se o senhor do dinheiro ou o dinheiro torna-se o senhor da pessoa.

Tenha padrões elevados de integridade porque você é um filho de Deus. O homem natural veio de Adão, e é da carne, mas o filho de Deus é espírito vivificante. Eu posso ser corpo por fora, mas eu tenho a eternidade dentro de mim, e logo vai manifestar a glória dos Deus nos filhos de Deus e todos verão que somos semelhantes a Jesus. Você não é mais um mero homem, você é da nova criação. Jesus foi gerado pelo Espírito Santo, você foi também. Jesus foi cheio do Espírito Santo, você foi também. Deus falou para Jesus que Ele era filho. O Espírito Santo testifica conosco todos os dias que nós somos filhos de Deus.

Há quem diga: “Ah pastor, não dá para se comparar com Jesus não! Jesus é outro padrão!”

Isso é mentalidade do mundo. Jesus é o seu padrão. O mundo quer que você diga: “Não é meu padrão! É alto demais”! Rejeita isso. Jesus é o padrão! Ele viveu porque é possível viver, Ele obedeceu para que você pudesse obedecer. A mesma provisão que Ele teve você tem também! Os mesmos suprimentos de poder que Ele teve você tem também! Ele foi fiel e nós também podemos ser.

Não vamos viver um cristianismo medíocre das campanhas, que não resulta em mudança de vida, para comportamento nobre, transcendente, acima daquilo que o mundo faz. A média não resolve, nós temos que estar acima da média porque nós somos filhos de Deus!

Aquele que é fiel prospera

Nisso não há acepção de pessoas. Mesmo o incrédulo quando age com fidelidade para com outros homens recebe a recompensa. Professores fiéis prosperam. Médicos fiéis prosperam. Advogados, vendedores, pedreiros, serventes que são fiéis, prosperam. Mesmo que nem conheçam a Deus, se são fiéis ao próximo e à sua consciência, prosperam. Mas muito mais prosperarão aqueles

que forem fiéis a Deus.

A verdadeira prosperidade não é uma questão de ficar rico, é antes uma questão de ser encontrado fiel. Por fim a fidelidade gera contentamento. Se você aplicar os princípios da economia de Deus, você vai sair das dívidas, vai gastar com sabedoria, vai economizar para aplicar em projetos futuros, e o principal, vai ofertar mais para o Reino de Deus.

A Bíblia oferece soluções reais para os problemas atuais. A Bíblia não perde a sua atualidade.

Ela é sempre atual. Se você quer sair da dívida, se você de fato quer poder experimentar contentamento e provisão, se de fato quer gastar com sabedoria, quer ter economia, quer poder ofertar mais? O Senhor tem isso para você se você for encontrado fiel no que Ele tem lhe dado. Você deseja ser fiel? A fidelidade, porém, é só o primeiro ponto, precisamos também ser honestos em tudo.