Unção Ministerial

Unção Ministerial

Um jovem pastor procurou o pastor Aluízio e disse e disse: “é indiscutível que o senhor
possui uma unção para pastorear uma mega igreja. Eu quero receber essa unção. Por favor
imponha as mãos em mim para eu receber essa unção também!”
“Temo que as coisas não sejam assim tão simples. Impor as mãos é importante, mas é preciso
algo mais.” O pastor respondeu. “O que eu preciso fazer?” Insistiu ele. “Você precisa comer a
minha a carne e beber o meu sangue.” Ele ficou completamente perplexo com a minha resposta.
Mas esse é um princípio poderoso do Novo Testamento. Se você não internalizar a minha
palavra (carne) e compartilhar da minha vida (sangue), você não tem parte comigo e, portanto,
não pode compartilhar da minha unção.
Existem alguns princípios simples e práticos que nos permitem receber a unção de alguém.
Você certamente pode ser um pastor de uma grande igreja. Eu quero muito que você receba
do mesmo espírito, da mesma unção que está sobre mim, mas existem algumas condições para
que isso aconteça.

1. O princípio do vaso apropriado


O primeiro princípio que precisamos entender é que a unção precisa ser depositada num
recipiente apropriado. Unções específicas estão associadas com certos tipos de pessoas. A unção do evangelista, por exemplo, vem sobre um determinado tipo de personalidade. O mesmo
acontece com a unção pastoral ou a unção apostólica.
A Palavra de Deus diz que numa casa há muitos tipos de vasos.
Ora, numa grande casa não há somente utensílios de ouro e de prata; há também de madeira
e de barro. Alguns, para honra; outros, porém, para desonra. IITm. 2:20
Antes de buscarmos determinada unção ministerial precisamos ver se somos o tipo de vaso
apropriado.

Quando estudamos a vida do profeta Elias vemos que ele tinha uma unção profética especial. Aquela unção o levou fazer determinadas coisas como repreender reis (I Rs. 21:17-20),

lutar contra líderes religiosos (I Rs. 18:20-24), desafiar o povo ao arrependimento (I Rs. 18:30-
39), e seu ministério terminou por uma mulher, Jezabel (I Rs. 19:3, 14 e 16).
A Palavra de Deus diz que João Batista operou na mesma unção profética de Elias (Lc. 1:76).
Assim nós vemos João Batista repreendendo reis (Mc. 6:17-20), confrontando líderes religiosos
(Mt. 3:7-10), exortando o povo ao arrependimento (Lc. 3:7-14). E também o seu ministério
foi terminado por uma mulher, a esposa do rei Herodes (Mt. 14:6-10). Esta era a mesma unção
de Elias funcionando.
A unção de Elias operava na vida de João Batista porque ele era um vaso apropriado para
recebê-la. Veja que ambos João e Elias viviam no deserto (Mc. 1:4 e I Rs. 19:4). Ambos se
alimentavam de forma pouco comum (I Rs. 17:6 e Mt. 3:4). E os dois se vestiam de pelos de
camelo (Mt. 3:4 e II Rs. 1:8).

Se você deseja receber uma unção específica o Senhor vai moldar você em um vaso apropria-
do para fluir nessa unção. Se Deus deseja que você seja um grande pastor ele pode trabalhar em áreas da sua vida como conhecimento e nível educacional.
Alguns pastores não são devidamente educados e estudiosos por meio de leitura. Se você
deseja ser o pastor de uma grande igreja isso significa que você terá em seu rebanho muitas
ovelhas estudadas. Como você vai se relacionar com essas pessoas?
Deus poderá trabalhar em sua forma de falar e também na etiqueta e forma de se relacionar publicamente. Você será treinado em uma escola bíblica ou mesmo em uma universidade secular. O Senhor vai levá-lo a várias experiências de humilhação e crescimento. Tudo isso para

moldá-lo num vaso que pode conter um tipo específico de unção ministerial.
Alguns desejam uma unção profética, mas não apreciam ficar a sós com o Senhor por muito
tempo. Deus terá de transformar áreas da sua personalidade para ser um vaso que pode conter
uma unção profética.
Não se coloca coca- cola num tanque de combustível. Cada recipiente possui o fluido certo
para enchê-lo.Tenho tido o privilégio de conhecer dezenas de pastores de mega igrejas por todo o mundo.
É bem notável que eles possuem muitas características em comum. Se você deseja ser um pastor
como eles precisa se tornar em alguém como eles.

2. O princípio da Servitude


Por toda a Palavra de Deus podemos ver que aqueles que receberam uma unção eram servos.
Josué era servo de Moisés e Eliseu era servo de Elias.
Sucedeu, depois da morte de Moisés, servo do SENHOR, que este falou a Josué, filho de
Num, servidor de Moisés, dizendo… Js. 1:1

Perguntou, porém, Josafá: Não há, aqui, algum profeta do SENHOR, para que consulte-
mos o SENHOR por ele? Respondeu um dos servos do rei de Israel: Aqui está Eliseu, filho de

Safate, que deitava água sobre as mãos de Elias. II Rs. 3:11
Nós sabemos que os discípulos de Jesus eram seus servos.
Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas tenho-vos
chamado amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos tenho dado a conhecer. Jo. 15:15
A posição de um servo é uma posição de humildade. Você não tem sua própria opinião, mas
você se submete a aquele a quem você serve. Você se posiciona para receber cada instrução que
lhe for dada.
Josué teve de ser um servo antes de ter uma unção, e você terá de ser também. Essa é uma
razão porque algumas pessoas nunca fluem numa unção ministerial. Eles simplesmente são
muito grandes para se tornarem servos de alguém. Valorizam demasiadamente sua posição,
cultura ou idade. Eles querem ser constantemente reconhecidos. Eu creio que essa é uma das
razões por que o Senhor levanta tantos jovens em sua obra. Para o jovem é muito mais fácil se
colocar como servo.

Durante todos os meus anos de mocidade eu servi fielmente aos meus líderes. É difícil mencionar uma área na igreja que eu não tenha cooperado ativamente. Fico surpreso quando vejo

alguns jovens querendo reconhecimento apenas porque possuem um diploma do Seminário.
Você deseja receber a unção de alguém, mas nunca se dispôs a servi-lo ativamente. A unção é
como a água, sempre corre de cima para baixo. Se você quer recebê-la coloque-se numa posição
de servo.
Pergunte a si mesmo se você é um servo ou um chefe?
Um servo se submete ao seu líder ou mestre.
O filho honra o pai, e o servo, ao seu senhor… Ml. 1:6
Um servo espera a direção do seu mestre.

Pois também eu sou homem sujeito à autoridade, tenho soldados às minhas ordens e digo a
este: vai, e ele vai; e a outro: vem, e ele vem; e ao meu servo: faze isto, e ele o faz. Mt. 8:9
Um servo não se vê igual ao seu mestre. Ele não diz coisas como: nós todos somos colegas
de ministério, nós todos temos filhos, etc.
Pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual a Deus;
antes, a si mesmo se esvaziou, assumindo a forma de servo… Fp. 2:6-7
Um servo se importa com os desejos do seu mestre.
Quanto aos servos, que sejam, em tudo, obedientes ao seu senhor, dando-lhe motivo de
satisfação; não sejam respondões. Tt. 2:9
Um servo não se sente constrangido com o trabalho, pois um servo não escolhe qual
serviço fazer.
…e, reconhecido em figura humana, a si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à
morte e morte de cruz. Fp. 2:8

Um servo faz mesmo o trabalho mais humilde como servir comida. Os apóstolos aprende-
ram muito com o Senhor, mas também tiveram de servi-lo.

E, quando já estavam fartos, disse Jesus aos seus discípulos: Recolhei os pedaços que sobraram, para que nada se perca. Jo. 6:12

Aqui está Eliseu, filho de Safate, que deitava água sobre as mãos de Elias. II Rs. 3:11
Um servo procura o avanço do seu mestre. Ele não se coloca apenas numa posição, mas ele
realmente tem um coração humilde. Sem esse coração as pessoas vão servir apenas na aparência.
Convém que ele cresça e que eu diminua. Jo. 3:30
Um servo não espera gratidão ou reconhecimento.
Assim também vós, depois de haverdes feito quanto vos foi ordenado, dizei: Somos servos
inúteis, porque fizemos apenas o que devíamos fazer. Lc. 17:10
Um servo faz o que seu mestre manda da forma como ele deseja.

Porém Samuel disse: Tem, porventura, o SENHOR tanto prazer em holocaustos e sacrifícios quanto em que se obedeça à sua palavra? Eis que o obedecer é melhor do que o sacrificar, e o atender, melhor do que a gordura de carneiros. I Sm. 15:22
Um servo ministra ao seu mestre com os seus bens.

e também algumas mulheres que haviam sido curadas de espíritos malignos e de enfermidades: Maria, chamada Madalena, da qual saíram sete demônios; e Joana, mulher de Cuza, procurador de Herodes, Suzana e muitas outras, as quais lhe prestavam assistência com os seus
bens. Lc. 8:2-3

Um servo é sempre recompensado.
Pelo que também Deus o exaltou sobremaneira e lhe deu o nome que está acima de todo
nome. Fp. 2:9
Olhando firmemente para o Autor e Consumador da fé, Jesus, o qual, em troca da alegria
que lhe estava proposta, suportou a cruz, não fazendo caso da ignomínia, e está assentado à
destra do trono de Deus. Hb. 12:2

3. O princípio da Filiação


Eu uso aqui a palavra filiação no sentido de “tornar-se um filho”. Quando o Senhor manda
que você siga a um homem de Deus, é muito importante que você receba esse homem como
pai. É muito interessante ver que quando Elias foi levado ao céu pela carruagem de fogo Eliseu
o chamou de pai.
O que vendo Eliseu, clamou: Meu pai, meu pai, carros de Israel e seus cavaleiros! II Rs. 2:12
Eliseu não fez isso porque não tivesse um pai, na verdade a escritura menciona que ele era
filho de Safate (II Rs. 3:11).
Por que é tão importante se relacionar como filho? Eu creio que há duas razões para isso. Em
primeiro lugar porque a nossa personalidade é moldada numa relação de filiação. Uma pessoa
com pai recebe direção para a sua vida, mas alguém sem pai vive cheio de lutas interiores.
Quando alguém é órfão ele vive debaixo de ansiedade e o seu futuro é bem incerto. Acontece
a mesma coisa no ministério. Quando não há ninguém para influenciá-lo no caminho correto,
o seu ministério fica cheio de conflitos e angústias.
Eu passei por muitas lutas em meu ministério porque não tive um pai espiritual para me
dar direção e suporte. Muitas das frustrações que experimentei foi porque não tinha ninguém
para me ajudar.
Na verdade alguns que deveriam ter sido pais para mim no início do meu ministério se
tornaram inimigos. Eles se opuseram a mim e até me resistiram. Hoje algumas dessas pessoas
gostam de dizer que são meus pais porque me tornei bem sucedido ministerialmente.
A segunda razão porque é importante ter um pai é porque a herança flui espontaneamente

de pai para filho. Não estou falando de coisas naturais. Não se torne discípulo de alguém esperando receber coisas materiais. A verdadeira herança é a unção que virá dele para você. Você

não receberá herança espiritual de alguém do mesmo nível que você, mas apenas de seu pai
espiritual. Filhos genuínos recebem a herança. Alguns recebem porção maior que outros, mas
todos recebem. Para receber essa herança espiritual não há necessidade de esforço algum, ela
fluirá espontaneamente.
Não espere que ninguém o reconheça como filho, mas simplesmente se posicione como tal.
Esse certamente é um dos princípios chaves para se receber a unção de alguém.

Como você pode saber se é um filho espiritual?
a. Quando você reconhece alguém como pai ele poderá falar na sua vida e você vai confiar
no que ele disser.
Filhos sempre reconhecem que seus pais querem o melhor para eles mesmo quando são
severamente disciplinados. Se você não confia nas motivações de alguém tal pessoa não pode
ser seu pai.
Uma pessoa somente se torna pai para você quando você confia completamente nela. Tal
atitude faz com que você a admire e se abra para ela. Você nunca abrirá o seu espírito para
alguém em quem você não confia completamente.
b. Mantenha uma grande admiração e respeito por alguém que você reconhece como pai.
c. Aceite a posição de autoridade do pai.
Todo filho precisa vencer a tentação de sair de debaixo da autoridade do pai. Nunca lute
contra o seu pai. Isso é um pecado grave. Em vez disso sempre procure honrá-lo.
d. Siga o homem de Deus de perto
Todos o que recebem a herança espiritual da unção são pessoas que ficam próximas de seus
mentores. Eliseu ficou perto de Eliseu e não o deixou hora nenhuma. E foi somente no final
que ele recebeu a herança. A porção dobrada que Eliseu recebeu não era o dobro da unção de
Elias, mas o dobro dos outros discípulos. Ele recebeu a porção do primogênito.
Nem todos os filhos espirituais têm o privilégio de estarem próximos fisicamente de seus
mentores, mas eles devem procurar ficar próximos do ensino e das palavras dele. Eu creio que
a unção flui através das palavras e até mesmo está nas palavras.
Você está próximo de alguém quando está próximo e familiarizado com a sua palavra. A
unção vai entrar em você enquanto você ouvir e depois ministrar as palavras do seu mentor.
O profeta Ezequiel disse que o Espírito entrou nele enquanto ele ouvia a Palavra de Deus. Eu
creio que a unção do seu pai espiritual virá para você enquanto você mergulha na sua palavra.
Então, entrou em mim o Espírito, quando falava comigo, e me pôs em pé, e ouvi o que me
falava. Ez2:2
e. Permaneça próximo até que a unção que você deseja esteja fluindo na sua vida
Vigie para que ninguém e nenhuma circunstância o separe do seu pai espiritual. Por várias
vezes Eliseu teve a chance de se afastar de Elias, mas ele insistiu em ficar próximo e por isso
recebeu a unção.

4. O princípio da ministração espiritual


É preciso ser muito cuidadoso nesse ponto. Eu creio no poder da imposição de mãos, pois
é uma doutrina fundamental do Novo Testamento. É a forma como os dons do Espírito nos são ministrados. É tão importante que Paulo diz para Timóteo não impor as mãos precipitadamente sobre ninguém.

A ninguém imponhas precipitadamente as mãos. Não te tornes cúmplice de pecados de
outrem. Conserva-te a ti mesmo puro. I Tm5:22
O próprio Timóteo recebeu o dom de evangelista pela imposição de mão do apóstolo Paulo.
Por esta razão, pois, te admoesto que reavives o dom de Deus que há em ti pela imposição
das minhas mãos. II Tm1:6

É indiscutível que o dom de evangelista começou a operar na vida de Timóteo após a im-
posição de mãos.

No entanto é preciso advertir que recebemos o dom de Deus e não dos homens. Os homens
são apenas o canal para recebermos. Além disso é preciso dizer que não funciona de forma
automática. Eu creio que a imposição de mãos funciona quando somos realmente filhos. É a
filiação que nos habilita a recebermos a unção pela imposição de mãos.

Deus pode fazer todas as coisas como bem lhe apraz, mas eu não acredito que eu possa re-
ceber a unção de alguém que eu nem mesmo conheço. Observe que sempre que você recebeu

foi através de alguém que você não apenas conhecia, mas reconhecia como homem de Deus.
Além disso talvez você não tivesse nenhuma ligação próxima a ele, mas já o seguia a distância
por meio de seus ensinos em livros, vídeo ou áudio. Numa situação assim a imposição de mãos
tem poder.
O pastor Aluízio conta que certa vez ouviu o pastor Benny Hinn dizer que, na sua busca
para receber a unção de Catherine Kuhlman, ele chegou a fazer vigília e orar sobre o túmulo
dela. Ele tinha participado das reuniões que ela fazia, tinha lido todo o material e ouvido as
ministrações gravadas. Parece bem claro que ele recebeu a unção que buscava. No entanto, já vi
ele impondo as mãos sobre centenas de pessoas para que recebessem a mesma unção, mas não
vejo que aquelas pessoas realmente receberam.

Eu penso que a explicação é simples, precisamos cumprir os outros princípios que mencionei para finalmente a imposição de mãos possa selar uma transferência de unção.

5. O princípio da semente espiritual


Quando falamos de semente estamos simplesmente dizendo que tudo o que o Senhor nos dá ele nos dá em forma de semente. Deus não nos dá as plantas crescidas. Ele nos dá potencialidades que precisam ser desenvolvidas. Você pode receber a unção de um pastor de mega igreja, mas isso terá de ser desenvolvido.
Na medida em que somos fiéis no pouco ele nos coloca sobre o muito.
Quem é fiel no pouco também é fiel no muito; e quem é injusto no pouco também é injusto
no muito. Lc16:10

Sua fé terá de crescer paulatinamente para lidar com uma igreja cada vez maior com suas
necessidades espirituais e financeiras. Evidentemente o Senhor pode repentinamente colocar

José como segundo depois de Faraó no Egito, mas não devemos desprezar o princípio da pre-
paração. A semente nada mais é que um treinamento, um processo de desenvolvimento.

Sua fidelidade será testada no decorrer do tempo. Sua fidelidade é o catalizador da unção.
Na medida que você se torna fiel no pouco a unção o qualifica para o muito.
O princípio da semente nos fala que a maturidade não vem instantaneamente. Nada pode
substituir o tempo. Você somente poderá entrar em certos níveis espirituais na hora certa.

6. O princípio do investimento financeiro

Você precisa aprender a investir no homem de Deus que o está mentoreando. Se a generosidade é um problema para você então você não pode ser um ministro e muito menos um pastor

de uma grande igreja.
Paulo diz que aqueles que estão sendo ministrados devem abençoar os seus mestres com os
seus bens.
Mas aquele que está sendo instruído na palavra faça participante de todas as coisas boas
aquele que o instrui. Gl6:6
A unção de Deus é atraída para você quando você abençoa financeiramente o homem de
Deus.

Quando a mulher quebrou o vaso de perfume sobre o Senhor ele disse que ela seria lembrada por causa daquilo. Quando você derrama de algo que lhe custa sobre o homem de Deus

você será honrado por Deus e lembrado por muitos.

Mesmo Abraão, o pai da fé, quando encontrou um grande homem de Deus ele imediatamente ministrou algo de valor na vida dele.

Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; era sacerdote do Deus Altíssimo; aben-
çoou ele a Abrão e disse: Bendito seja Abrão pelo Deus Altíssimo, que possui os céus e a terra; e bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus adversários nas tuas mãos. E de tudo lhe
deu Abrão o dízimo. Gn. 14:18-20
Não creio que esse princípio sozinho possa trazer uma unção sobre você. Muitos colocam
ofertas em meu bolso depois que prego na esperança de se apropriar da unção, mas parece que
não funciona assim.
É preciso cumprir os pontos anteriores. Se temos uma atitude de servo, uma posição de filho
e estou disposto a absorver o ensino e a visão de alguém, então o investimento financeiro se
torna necessário.

O dinheiro é o que recebemos quando investimos a nossa vida trabalhando. Assim o dinheiro é um reflexo de sua própria vida representada pelo suor do trabalho e pelo tempo gasto.

Quando resolvo dar esse dinheiro para um homem de Deus eu estou na verdade dando um
pouco da minha vida. Se você semear a sua vida você colherá a unção.