top of page
Buscar

Viva de acordo com a sua identidade

Chamada: “E para o nosso Deus os constituíste reino e sacerdotes; e reinarão sobre a terra.” (Ap 5.10)



Porque não recebestes o espírito de escravidão, para viverdes, outra vez, atemorizados, mas recebestes o espírito de adoção, baseados no qual clamamos: Aba, Pai. (Rm 8.15)


Essa é uma chave espiritual fundamental que muda completamente nossa maneira de viver a vida cristã. É uma mentalidade nova. Temos promessas e realidades espirituais fantásticas, tremendas, que estão escritas na Palavra de Deus.


Visto como, pelo seu divino poder, nos têm sido doadas todas as coisas que conduzem à vida e à piedade, pelo conhecimento completo daquele que nos chamou para a sua própria glória e virtude, pelas quais nos têm sido doadas as suas preciosas e mui grandes promessas, para que por elas vos torneis co-participantes da natureza divina, livrando-vos da corrupção das paixões que há no mundo. (2 Pe 1.3-4)



Temos uma promessa de glorificação do nosso corpo. Jesus já ressuscitou como o primogênito, as primícias, e nós estamos garantidos com isso. Mas toda a questão da nossa vida passa por aqui hoje, pelo aqui e agora, que é o momento da nossa salvação presente. E aqui está o ponto fundamental que tem sido o grande empecilho para que as pessoas e a igreja possam realmente romper em níveis que condizem com a realidade de quem nós somos: identidade.

1. SOMOS REIS E SACERDOTES


[...] e para o nosso Deus os constituíste reino e sacerdotes; e reinarão sobre a terra. (Ap 5.10)


A Bíblia diz que somos um reino de sacerdotes. Nós somos reis, somos sacerdotes, governamos nas duas esferas, espiritual e natural. Nós temos outro nível de favor, sabedoria, inteligência, habilidade, capacidade e visão que o mundo não tem, porque os seus olhos espirituais foram cegados, nós não (Ef 1.16-23).



O ESPÍRITO DE ESCRAVIDÃO


Quando a Bíblia diz que você não recebeu o espírito do escravo, é porque o escravo tem um espírito abatido, ele tem uma mente extremamente limitada para acreditar em qualquer coisa. Um escravo pertence a alguém que domina sobre ele. Ele não tem um pai e não tem herança. Ele não tem realmente uma vantagem na vida para começar a partir dali. Ele não tem um pai para protegê-lo, dirigi-lo, guardá-lo, dar vantagens, capacitá-lo, ensiná-lo. Então, ele vive uma vida com medo, extremamente limitada, não tem coragem de tomar decisão nenhuma, não tem habilidade e nem segurança para isso.


Ele não tem nada disso porque tem a mesma mentalidade de um órfão. O tempo todo, está olhando para si mesmo, e sua vida, a identidade do escravo e do órfão, é estabelecida pelo seu meio, pelo seu habitat, pelas coisas que acontecem por fora dele. O ambiente que ele vive é que determina a sua identidade, porque ele vive num ambiente de escravidão e orfandade, então ele é um escravo e um órfão, ele é definido pelo seu ambiente.


Nós trocamos de ambiente, éramos do império das trevas. Aquele ambiente definia quem nós éramos, escravos. Agora nós estamos em outro ambiente espiritual, superior, poderoso, pleno, que deveria definir a nossa identidade de rei e sacerdote (Cl 1.13).


Reis vivem em reinos, e escravos vivem na opressão do seu senhor. A Bíblia diz que somos reis e sacerdotes, e isso precisa ser uma realidade em nossa vida. Embora saibamos disso, temos muitas dificuldades de acreditar, porque, por muitos anos, vivemos como escravos. O povo de Israel era povo do Senhor o tempo todo. O fato de terem sido escravizados por quatrocentos anos no Egito não mudou o fato de que eles eram povo de Deus, mas estavam vivendo em outro ambiente, e lá eles adquiriram uma mentalidade de escravo, então se viam como aqueles espias descreveram: como gafanhotos (Nm 13.33). Josué e Calebe tiveram outra atitude, outro espírito. Portanto, tudo é uma questão de posicionamento espiritual.


Porém o meu servo Calebe, visto que nele houve outro espírito, e perseverou em seguir-me, eu o farei entrar a terra que espiou, e a sua descendência a possuirá. (Nm 14.24)


Eles decidiram não apenas acreditar no que Deus estava falando, mas tomaram aquele espírito para si mesmos: “É isso que eu sou. O meu ambiente externo não vai definir a minha identidade”. Este é o problema que tem cercado a nossa vida: somos reis, somos príncipes, mas vivemos ainda no Egito, e vivemos lá por muitos anos, então carregamos uma mente de escravos, e isso tem sido uma grande dificuldade para cada um de nós avançarmos em nossa fé.


2. AMBIENTES NÃO PODEM DEFINIR SUA IDENTIDADE


Por que Deus troca o seu povo de ambiente? Deus está trocando o povo de ambiente para poder levá-los à sua verdadeira identidade, para entenderem quem eles são. Deus está fazendo uma troca de ambiente, porque, se você deixar que o ambiente defina a sua identidade, será como os filhos do Egito, os filhos do deserto, os filhos da escravidão. Deus estabeleceu quem você é, o seu ambiente não pode definir a sua identidade. Em algum momento, a sua identidade trará o seu ambiente. Se você deixar o ambiente produzir a sua identidade, você ficará limitado àquele ambiente caído, é por isso que eu volto para a Palavra de Deus, em Romanos12.2:


E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. (Rm 12.2)


Não entre na forma desse ambiente caído, não ande em conformidade com o ambiente em que você está inserido, você não é daqui, lembra?


Pois a nossa pátria está nos céus, de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo. (Fp 3.20)


“Transformai-vos pela renovação da vossa mente”, diz a Palavra de Deus. Experimente uma mudança de espírito mudando a mente, mudando a crença, porque sua crença define suas práticas, define sua vida.



3. VIVA SUA IDENTIDADE APESAR DO SEU AMBIENTE — A HISTÓRIA DE JOSÉ


José teve um sonho, Deus deu a ele uma visão da sua vida quando ele ainda era jovem, ele tinha apenas 17 anos quando recebeu essa visão, a qual dizia: “Você vai ser príncipe, vai governar, vai dominar. Você vai ser uma pessoa importante”. Mas, de repente, começa uma luta entre o ambiente em que ele estava e a realidade de quem ele era (Gn 37.5).


Também lhes disse Rúben: Não derrameis sangue; lançai-o nesta cisterna que está no deserto, e não ponhais mão sobre ele; isto disse para o livrar deles, a fim de o restituir ao pai. (Gn 37.22)


E ele é colocado num poço. Aquele príncipe foi colocado num buraco. Essa identidade será determinante para você chegar à sua realidade. Você será jogado no poço. Não perca sua identidade quando estiver lá. Todos nós, em algum momento, seremos testados nos mesmos testes que José foi.


1º TESTE: O POÇO, O TESTE DA AMARGURA, RESSENTIMENTO


Você imagina o que José sentiu naquele momento? No fim da história, ficamos sabendo da decisão dele. Por alguma razão, José não permitiu que o buraco definisse sua identidade, por isso saiu de lá. O fim da história nos conta a atitude que ele teve naquele buraco, uma atitude de príncipe.


José entendeu que o mal que fizeram contra Ele Deus o tornou em bem. Ele já havia perdoado seus irmãos. Manteve uma identidade de príncipe quando estava no fundo do poço da amargura, por isso perdoou e por isso foi tirado de lá e levado ao seu destino (Gn 50.15).


Quando você não permite que o seu ambiente determine a sua identidade, a sua identidade determinará o seu ambiente. José virou príncipe. Se você não aprender a perdoar a todos que o lançarão no poço para tentar matar o plano de Deus em sua vida durante sua caminhada e entender que Deus transformará tudo para o seu bem, você não poderá ser levado ao seu destino. Ou o poço define você ou a sua identidade o tira do poço. Se você é príncipe, você perdoará, porque somente os nobres podem perdoar aqueles que os ofendem. Se você não perdoar, o ambiente do poço definirá você, mas se você mantiver a identidade de príncipe, ela o tirará de lá.


2º TESTE: O TESTE DA ESCRAVIDÃO


E, passando os mercadores midianitas, os irmãos de José o alçaram, e o tiraram da cisterna, e o venderam por vinte siclos de prata aos ismaelitas; estes levaram José ao Egito. (Gn 37.28)


Ele agora é vendido para a casa de um oficial, Potifar. Agora José era um príncipe na condição de um escravo. Ele teria que decidir, mais uma vez, quem definiria sua identidade, o ambiente ou Deus. Deus lhe disse que ele seria um príncipe, essa era a sua real identidade, mas agora o seu ambiente dizia outra coisa: que ele era um escravo. No caminho para o trono, às vezes, você estará na posição do escravo.


O teste da escravidão é o teste do que essa situação de desvantagem produz em nós. É o teste da injustiça, que nos leva a cair na justiça própria. Eu não sei o que José pode ter pensado assim que foi vendido, mas com certeza se sentiu profundamente injustiçado e teve que lutar contra a autocomiseração, o vitimismo, a justiça própria. No início, certamente o sentimento de injustiça e vitimismo foi terrível contra ele. Mais uma vez, José teve que decidir se o ambiente definiria sua identidade ou se sua identidade o levaria para o próximo nível em direção ao trono.


Sabemos que José, mais uma vez, foi aprovado porque obteve sucesso e foi promovido diante do seu Senhor. Sabemos que ele foi aprovado porque a mão de Deus o confirmou (Gn 39.2). Ele era um príncipe na posição de escravo, mas não permitiu que o ambiente decidisse sua identidade; antes, mais uma vez, sua identidade o levou em direção ao trono.


3º TESTE: O TESTE DO PECADO


José é assediado e caluniado pela mulher de Potifar (Gn 39.7-9). Não pense que tenha sido simples para José. Certamente ela era uma mulher bonita e sensual, afinal era esposa de um homem poderoso. José teve, mais uma vez, que definir se o ambiente da sensualidade e do pecado definiria quem ele era ou se sua identidade o manteria em direção ao trono. Você está perdoado e, de fato, Deus não imputa mais pecado a você, tudo isso é verdadeiro, no entanto não muda o fato de que, o pecado traz morte à sua vida (Rm 6.23).


4º TESTE: SUA IDENTIDADE SERÁ QUESTIONADA


Então, lhe falou, segundo as mesmas palavras, e disse: O servo hebreu, que nos trouxeste, veio ter comigo para insultar-me. (Gn 39.17)


A integridade de José, sua identidade, foi colocada em teste. A calunia será um grande teste na sua vida em direção ao trono. O diabo tentará de todas as formas impedir que você viva sua real identidade. José não permitiu que o ambiente de calúnia determinasse sua identidade, mas sua identidade o levou em direção ao seu propósito. Não se desanime porque estão tentando jogar sua reputação e sua identidade no lixo. Não ouça as críticas e as calúnias, ouça apenas a voz do Pai, que diz que ama você. O fato de José ter sido preso logo em seguida mostra que ele venceu esse teste, porque o que ele fez era crime de morte.


Muito provavelmente seu senhor não acreditou em sua mulher, pois conhecia a integridade de José e por isso apenas o prendeu para lavar sua honra, mas não a ponto de ser injusto com José. Quando se levantarem para questionar sua identidade, não diga nada, apenas perdoe e passe reto, o Senhor será sua defesa. Você não é o que estão dizendo, você é o que o Senhor disse que você é, essa é a sua identidade.


5º TESTE: O TESTE DA PRISÃO


Diante daquela perseguição que ele sofreu, parece que as coisas pioraram um pouco mais. Todavia, mesmo dentro da cadeia, agora ele era um príncipe preso, mas não permitiu se deixar ser um homem que estava preso na sua fé, na sua alma, no seu entendimento. A cadeia é o teste final, são momentos na nossa caminhada em que todas as portas agora estão fechadas, não vemos como sair ou que rumo tomar e, nessa hora, teremos que decidir quem vai definir nossa identidade, o ambiente ou Deus.


José era um príncipe dentro da cadeia, mas não abriu mão da sua identidade, ele não permitiu que a cadeia definisse a sua identidade, ele não se permitiu ser alguém que estava fadado a morrer como um escravo, preso numa cadeia, porque tinha uma palavra sobre ele. Foi isso o que aconteceu, e é por isso que ele revela sonhos. Ele é alguém de outro nível dentro da cadeia, ele é influente, ele governa, ele é colocado lá para cuidar dos presos, por isso ele tem acesso a presos especiais que estavam ali dentro, do rei. Ele revela isso, o que fica patente.


O SENHOR, porém, era com José, e lhe foi benigno, e lhe deu mercê perante o carcereiro; o qual confiou às mãos de José todos os presos que estavam no cárcere; e ele fazia tudo quanto se devia fazer ali. E nenhum cuidado tinha o carcereiro de todas as coisas que estavam nas mãos de José, porquanto o SENHOR era com ele, e tudo o que ele fazia o SENHOR prosperava. (Gn 39.21-23)


Esses versículos nos mostram que José, mesmo na cadeia, não permitiu que seu ambiente determinasse sua identidade. Ele tinha o favor de Deus, sabia disso e, portanto, assumia uma posição de príncipe, sua verdadeira identidade, mesmo em um lugar que contrariava sua identidade.


Mesmo que você esteja em um momento sem saída, apenas se posicione na sua identidade, você está para chegar ao seu destino e as coisas acontecerão muito rápido. Veja, ele está sendo longamente testado na sua identidade, ele era um príncipe que, antes de ser colocado no trono, precisou ser colocado no buraco, na escravidão, na tentação, na calúnia e na cadeia, mas o espírito de príncipe e de governo que estava nele trouxe a realidade de quem ele era.


José interpreta o sonho de um prisioneiro, que mais tarde seria a ponte para levá-lo a Faraó. Ele, então, é levado a Faraó escoltado pelos guardas e, depois de uns 40 minutos, volta escoltado como príncipe. Em apenas alguns minutos do veredito final de Deus, a identidade de José o coloca, enfim, após treze anos, no destino da sua realidade, o trono.


Se você não permitir que o seu ambiente defina a sua identidade, ela o levará ao seu destino, porque isso é fé. Não permita que as coisas externas definam quem você é, você não é o que o ambiente externo no qual você vive está tentando convencê-lo, você é o que está escrito na Palavra de Deus: um rei, um sacerdote.


Porque você está em Cristo, você é um homem abençoado, você tem a unção de Deus, a habilidade de Deus, a inteligência de Deus, a mente de Deus. Você é alguém ungido, capacitado para edificar a casa de Deus. Não viva mais com a cabeça baixa, esqueça os anos da escravidão.


Enquanto você permitir na sua mente o ambiente definir quem você é, você ficará limitado a essa identidade falsa a seu respeito, mas é necessário que você se levante e tenha outro espírito, como Josué e Calebe. Enquanto você permitir que as circunstâncias exteriores definam quem você é, seus inimigos o governarão, mas, quando você apenas permanece na posição da identidade que Deus estabeleceu, de governo, de rei, de sacerdote, sua posição de identidade, segundo a Palavra de Deus, trará os seus inimigos para debaixo dos seus pés, trará a realidade para condizer com quem você é.


Um herdeiro, enquanto é pequeno, diz a Bíblia, não difere de um escravo, mas, quando ele cresce, assume a posição. O crescimento é essa atitude de amadurecimento, de acreditar na coisa certa, e isso então vai trazer a realidade, vai trazer a realidade de quem ele é.


Eu escrevi o livro Tudo me é lícito: A verdadeira liberdade em Cristo justamente porque acredito nisso. Acredito que o grande problema do povo de Deus hoje é uma mentalidade de escravidão que a religião impôs a nós. Vivemos em um sistema de troca, de barganha, de merecimento, de ter que fazer coisas para nos sentir bem, nos sentir aceitos, úteis, mas nada disso define quem nós somos. Por muitos anos, você foi criado num sistema de pode ou não pode, certo ou errado, mas Paulo diz que tudo lhe é lícito, ainda que nada deveria dominá-lo, ainda que nem tudo lhe convém. Não existe mais pecado sendo imputado a você, você é bem-aventurado, foi a Palavra de Deus que disse isso.


A Bíblia diz que nós fomos chamados para viver em outro lugar, você se tornou outra pessoa e agora está sendo levado para outro lugar, que condiz com quem você é, você não é mais escravo, você é filho de rei, você é príncipe. Então, agora você está sendo levado para o reino. E o reino de Deus é estabelecido em três pilares, que é o que eu mostro no livro: justiça, paz e alegria.


Pois quem quer amar a vida e ver dias felizes refreie a língua do mal e evite que os seus lábios falem dolosamente. (1 Pe 3.10)


Você quer amar a vida, você quer viver o último estágio do reino, porque você é rei, e quer amar a vida e ver dias felizes, porque é isso que condiz com a sua identidade? Refreie a sua língua do mal. Se você tomar uma decisão hoje de mudar a sua fala, de mudar a sua mente, a respeito da sua identidade, a respeito de quem Deus é para você, e não aceitar que seu ambiente defina sua identidade, mas viver fundamentado na sua identidade, então sua identidade trará sua realidade. Como foi feito com José, como foi feito com Davi, como foi feito com Cristo, vai acontecer com você. Em algum momento, o lugar que lhe é devido, de rei e sacerdote, que é o trono, será entregue a você.


Pr. Naor Pedroza

コメント


bottom of page